O milho safrinha, que começou a ser plantado há dez dias no Noroeste paranaense deverá ocupar uma área apenas 0,84% maior do que a da safra de inverno anterior. Porém, espera-se uma produção 47% maior. No Paraná, a área plantada em 2016 foi de 2,2 milhões de hectares e este ano vai ocupar 2,3 milhões. A previsão de produção para a safrinha no Estado é 32% maior, passando de 10 milhões de toneladas colhidas na safra anterior para 13,5 milhões na atual.

De acordo com o Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria da Agricultura, a área destinada ao grão na região de Maringá não aumenta muito "por falta de espaço". Em praticamente todas as safras, a região ocupa com o milho quase todo o espaço disponível às culturas rotativas, sobrando pequenas porções para o trigo.

O plantio está acontecendo em Floresta, Ivatuba, Itambé, Astorga, Flórida e Lobato, regiões onde a colheita da soja já está ocorre e o milho é plantado na sequência, geralmente no mesmo dia.

"A área é praticamente a mesma do ano passado, mas espera-se uma produção bem maior porque a safra de inverno do ano passado enfrentou alguns problemas climáticos e acabou rendendo bem menos que o esperado", diz o economista Dorival Basta, do Deral em Maringá. Segundo ele, os 237 mil hectares destinados ao milho safrinha em 2016 mantiveram uma média de produção de 3,8 mil quilos por hectare. Na safra que está começando, a expectativa é de 5.650 quilos.

"Tudo vai depender agora das condições do clima", explica. "Se não acontecerem excessos de chuva ou estiagens prolongadas, vamos ter uma safra boa".

O produtor Valdir Fries, de Itambé, colheu ontem o primeiro talhão da soja plantada no início de outubro e já plantou o milho. Segundo ele, "na agricultura, nem tudo é 100%", mas os indícios são de que desta vez o clima vai cooperar.

Em outras regiões do Estado, o plantio do milho está avançado e já tem lavoura em fase de floração. "O risco desta fase é que a lavoura pode sofrer com qualquer mudança climática", diz o economista Marcelo Garrido, chefe da Conjuntura Agropecuária do Deral.

Apesar de estar menor do que alguns meses atrás, o preço do milho, em torno de R$ 30 a saca de 60 quilos, continua acima dos custos de produção. No ano passado, nessa mesma época, o milho era vendido por R$ 24 a saca e o melhor preço foi em maio, quando alcançou R$ 40.

Participe e comente