11,5 milhões de hectares seria a área mantida no Brasil, atualmente, com programas integrados do tipo lavoura-pecuária, conforme dados da Rede de Fomento ILPF (Integração Lavoura-Pecuária-Floresta), que encomendou um levantamento em 2016. A própria Rede vinha trabalhando nos últimos anos com uma área de 5 milhões de hectares. "Houve uma expansão muito forte", comentou o presidente da entidade, Willian Marchió, enfatizando que o sistema traz mais retorno econômico e é sustentável.

COLHEITA Com o tempo firme, nos últimos dias, a colheita de soja intensificou-se na região de Maringá e a perspectiva é de boa produtividade.

PROJEÇÃO A situação das lavouras é ainda melhor onde a semeadura ocorreu depois de setembro, como na região norte do Estado. Em Apucarana e Arapongas, por exemplo, os produtores estimam colher acima de 130 sacas em média por alqueire.

RITMO FORTE A colheita deslanchou em várias regiões do Brasil. De acordo com a agência AgRural, cerca de 10% área da safra 2016/17 foram completados até a última sexta. O número vem em linha com o registrado no ano passado, neste mesmo período, e acima dos 6% da média dos últimos cinco anos.

QUANTO A estimativa do Ministério da Agricultura é sejam colhidas mais de 100 milhões de toneladas de soja no país.

SHOW Começou ontem em Cascavel (PR) e prossegue até sexta-feira, o Show Rural Coopavel, com mais de 500 empresas expositoras e a expectativa de que os produtores fechem muitos negócios com a aquisição de máquinas agrícolas.

PRIMEIRO O Show Rural é o primeiro grande evento para apresentação de tecnologias destinadas ao agronegócio, no Brasil. Muitas novidades são lançadas durante a feira, que é aberta das 8 às 17h. O acesso é gratuito a qualquer interessado.

GIGANTE A cooperativa C.Vale, de Palotina, faturou R$ 6,8 bilhões em 2016. Dona de um grande parque industrial, conta com 18,7 mil associados e 7,8 mil funcionários.

CONTRATANDO O presidente da C.Vale, Alfredo Lang, anunciou na semana passada que serão admitidos mais 1,1 mil funcionários na área industrial.

INDÚSTRIAS A cooperativa está aplicando R$ 110 milhões na construção de um frigorífico para peixes que deve entrar em operação até o final do ano. Outra meta para 2017 é ampliar a produção de frangos das atuais 460 mil para 520 mil aves/dia.

DEFENSIVOS O clima deverá trazer bons ventos para as empresas de defensivos no Brasil em 2017.

AUMENTANDO A expectativa de boa safra para as principais culturas plantadas no país nesta temporada 2016/17 e o aumento da umidade, que favorece a incidência de pragas e doenças, já começaram a ampliar a demanda doméstica por agroquímicos.

EM RECUPERAÇÃO A expectativa é que o faturamento com as vendas de defensivos retome neste ano a tendência de alta que vinha sendo observada até 2014.
MAIS RECURSOS O Programa de Modernização da Frota de Tratores Agrícolas e Implementos Associados e Colheitadeiras (Moderfrota) poderá receber, até o fim da vigência do Plano Agrícola e Pecuário (PAP) 2016/2017, em 30 de junho deste ano, mais recursos adicionais,

NÃO DEU De acordo com o secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Neri Geller, o montante inicial destinado pelo Mapa ao Moderfrota foi de R$ 5 bilhões.

DEMANDA Como houve uma grande procura pelo programa, o governo federal liberou mais R$ 2,5 bilhões, totalizando R$ 7,5 bi. "Se houver demanda do setor produtivo, esse volume poderá aumentar ainda mais", diz Geller.

MAIS BARATO A trajetória de baixa da taxa básica de juros (Selic) do país abriu espaço para que o governo também reduza os juros das linhas de crédito subsidiado do próximo Plano Safra (2017/18), que neste ano deverá ser lançado em maio e entrará em vigor em 1º de julho.

PRESSÃO MAIOR A medida é defendida pelo Ministério da Agricultura e pelo setor produtivo desde o fim do ano passado, mas a pressão aumentou depois que o Banco Central imprimiu um ritmo mais acelerado de baixa da Selic - em janeiro, a taxa recuou 0,75 ponto percentual para 13% ao ano.

COBRANDO O secretário do Ministério da Agricultura, Neri Geller, recentemente manteve conversações com representantes do Ministério da Fazenda sobre a questão.

VAI CAIR Segujndo Geller, na primeira reunião da equipe econômica sobre o Plano Safra 2017/18, que deverá acontecer nas próximas semanas, vai apresentar uma proposta de reduzir em até 2 pontos percentuais as taxas.

Participe e comente