PRODUTORAS Algumas mulheres que se destacam no agronegócio brasileiro estiveram na Expoingá 2017. Entre elas, Betty Cirne Lima, de Porto Alegre, e Marize Porto Costa, de Goiás.

NO AGRO Betty e Marize se juntaram a outras empresárias rurais, entre elas a maringaense Cecília Falavigna, para participar do Encontro de Mulheres do Agronegócio.

CIRNE LIMA Vale falar um pouco sobre a Betty, que passaria discretamente pelo evento, não fosse ela filha do ex-ministro da Agricultura, Luiz Fernando Cirne Lima.

O CARA Pode-se afirmar, com todas as letras: Cirne Lima, enquanto ocupante da pasta ainda no governo militar, entre 1969 e 1973, foi o propulsor da cultura da soja no Estado.

À FRENTE A soja é, atualmente, o carro-chefe do agronegócio do Paraná, o segundo maior produtor do Brasil, com safra recorde estimada em 19,1 milhões de toneladas no ciclo 2016/17.

ATÉ ENTÃO Decorreu que, em 1969, o café e, em menor escala o algodão, predominavam na paisagem regional. E não havia, ainda, expectativa quanto ao cultivo da oleaginosa, até porque inexistiam estruturas apropriadas para o seu armazenamento.
LÁ NA FRENTE De passagem por Maringá, o ministro soube que a Cocamar obtivera êxito ao investir em estruturas de benefício de algodão. Ele elogiou a iniciativa, mas recomendou a seus dirigentes que, a bem do futuro da região, incentivassem os agricultores a plantarem soja e trigo.

CAMINHO CERTO Cirne Lima temia que essas culturas, já praticadas no Rio Grande do Sul e parte de Santa Catarina, não tardassem a chegar ao Paraná, mas pelas mãos de companhias multinacionais.

GIGANTE Os dirigentes da Cocamar ficaram de cabeça quente: orientados pelo ministro, teriam que construir um enorme armazém
graneleiro na cidade, coisa para 30 mil toneladas, lembrando que só havia umas três estruturas como essa no Rio Grande do Sul.

PREOCUPAÇÃO A Cocamar ergueu o tal graneleiro onde hoje é o seu parque industrial, na saída para Campo Mourão, em meio a um enorme cafezal. Mas temia que o imóvel, concluído no início de 1972, virasse um elefante branco.

PULO DO GATO Ocorre que a existência da estrutura foi o impulso que faltava para o advento da soja na região, em lugar dos decadentes cafezais. A Cocamar ficou tão impressionada com a adesão dos agricultores que, nos anos seguintes, precisou construir vários outros armazéns iguais ou até maiores que aquele, para comportar o forte crescimento das safras.

OPÇÃO Quando sobreveio a geada negra de 1975, que dizimou os cafezais, a região já enxergava um próspero caminho a seguir: as lavouras mecanizadas de grãos.

DECISIVO De uma só tacada, com sua visão de futuro, o ministro conferiu um novo rumo à cooperativa, ajudou a fortalecer a economia regional e, de quebra, contribuiu para a formação da base do cooperativismo paranaense. Setor que, hoje, responde pelo recebimento de 60% da soja produzida no estado.

NO TIME Cirne Lima ainda fez mais: convidou o então presidente da Cocamar, José Cassiano Gomes dos Reis Júnior, para fazer parte de sua equipe em Brasília. Ele presidiu uma estatal, a companhia brasileira de armazéns, Cibrazem.

CRESCENDO Estudos do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos mostram que o Brasil é um dos países em que a produtividade mais cresce.

NÚMEROS De 2006 a 2010, o rendimento da agropecuária aumentou 4,28% ao ano no Brasil, seguido pela China (3,25%), Chile (3,08%), Japão (2,86%), Argentina (2,7%), Indonésia (2,62%), Estados Unidos (1,93%) e México (1,46%).

Participe e comente