Um acordo de cooperação para o desenvolvimento de algodão transgênico resistente ao bicudo do algodoeiro (Anthonomus grandis), principal praga desse cultivo foi assinado na sede da Embrapa, em Brasília. A pesquisa envolverá duas unidades da Embrapa (Algodão e Recursos Genéticos e Biotecnologia), além do Instituto Mato-grossense do Algodão (IMAmt), com financiamento da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), por meio do Instituto Brasileiro do Algodão (IBA).

A praga afeta todas as regiões produtoras do país e representa custo de US$ 250 por hectare, além de perdas de produtividade e impactos sobre a saúde humana e o meio ambiente. Em uma primeira fase do projeto, serão investidos pela Abrapa aproximadamente R$ 18 milhões durante cinco anos.

Denominado Plataforma do Algodão, o projeto tem componentes de curto, médio e longo prazos, possibilitando desenvolver tecnologias diversificadas para combate ao bicudo. Nessas etapas se incluem a prospecção de genes e de promotores moleculares, a transformação genética de plantas de algodão e estudos.

Participe e comente