Conheça a iconógrafa maringaense Maria Alice Dittert Toninato. Bióloga, teóloga, e que nos últimos dez anos mudou sistematicamente o espaço que ocupa no contexto espiritual, físico e conseguindo estabelecer uma linha imaginária e apaixonante do mundo dos ícones que formam a linha imaginária e envolvente poucos divulgados e valorizados pelo grande público: a Arte Sacra Bizantina do século XIV e XV e as descrições que personalizam suas criações e escritas dos ícones.

A palavra ícone vem do grego EIKÓN que em sentido genérico significa imagem, semelhança, retrato, estatua. Em um sentido amplo, pode-se entender por ícone qualquer manifestação de caráter religioso e de origem ou de inspiração oriental (bizantina, eslavo, copta, síria, armênia etc.) Um Ícone transcreve pela imagem a mensagem evangélica que a Sagrada Escritura transmite pela palavra (Catecismo da Igreja Católica, 1160).

Trata-se de uma manifestação abstrata, difusa, pragmática que dificilmente consegue uma definição que possa ser materializada em sua forma externa. Nele une a teologia, a Arte, a liturgia e tradição canônica. Os ícones são parábolas dogmáticas, por isso eles não são belos como as obras de arte. A perspectiva de um ícone é inversa onde o ponto de fuga é colocado fora do ícone, perto do espectador da pintura com a ilusão de que esta na frente da pintura.

Agora, cada vez mais apaixonada por esta manifestação artística após experiências bem sucedidas com exposições em ambientes como Unicesumar, FLIM e ExpoLivro (Unijore) onde comercializou uma obra por R$ 3 mil, Maria Alice pretende promover palestras, workshops receber alunos (as) com aulas práticas em um ambiente acolhedor e adaptado para receber os fluidos necessários para as escritas dos ícones.

Ao contrário das tradicionais escolas de Arte Moderna da atualidade, as aulas são semanais com custo simbólico de R$ 10 a hora. O material utilizado é importado e não está no custo hora-aula. Seu objetivo é aumentar os adeptos desta Arte para que a criação surja do ícone, aquele que olha para o espectador demonstrando o lado espiritual. O Iconógrafo é o autor de ícones cujo objetivo é ajudar as pessoas a entrarem na esfera da reflexão. Para isso executa seu trabalho em estágio de suprema leveza contemplativa e espiritual. "Quase em oração", como define a artista plástica, que pretende agregar o maior número de interessados em desenvolver esta manifestação artística, como hobby ou para expor em grandes vernissages.

SAIBA +
ATELIER SÃO JUDAS TADEU
Rua 8 de setembro 370
Jd. Alamar (atrás do Country Clube)
Telefone (44) 9. 9705.2222


DEBATE NA UEM/FM
Como editor da capa do Caderno D deste jornal e da Revista Conexão Paraná, estarei integrando a bancada de debatedores do programa Ponto & Contraponto desta sexta-feira (18) pela UEM- FM simultâneo com a página da emissora no Facebook. O programa é produzido e mediado pelo jornalista Paulino Jr. tem uma hora de duração (entre 11 e 12 h) sempre às sextas-feiras com presenças de dois ou mais debatedores (dependendo do assunto) e um mediador. O tema desta sexta-feira é Meios de Comunicação e entre os convidados está professora e doutora Ana Cristina, coordenadora do curso Comunicação e Multimidias.

ESPAÇO DO LEITOR
...noto que existe um certo de desinteresse de alguns artistas, escritores e outros ativistas culturais em procurar canais e plataformas de divulgação- como as oferecidas pela UNIJORE e o próprio Caderno Cultura de O Diário- para divulgar suas atividades. Basta ver o movimento de moscas em lançamentos de algumas boas obras as livrarias e certas exposições no Calil Haddad.


Participe e comente