O Banco do Brasil vai colocar à disposição dos produtores rurais R$ 70 milhões por ano para financiar os tratores populares do programa estadual Trator Solidário para a modernização da Agricultura Familiar. A meta do programa é financiar 4.000 tratores, que serão comprados pelos produtores a preços inferiores aos de mercado.

O convênio de adesão do banco ao programa foi assinado nesta terça-feira pelo governador Roberto Requião e o presidente do Banco, Antonio Francisco de Lima Neto, no Palácio das Araucárias.

O Programa Trator Solidário foi inspirado numa visita que o governador Requião fez à Índia, na comitiva do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, onde foram financiados tratores populares para a modernização do campo naquele País.

Com o convênio assinado terça-feira, o Banco do Brasil, a Agência de Fomento e o Banco Regional do Extremo Sul serão as instituições responsáveis pelo financiamento do programa Trator Solidário que visa atender o agricultor familiar de forma individual ou em grupo, com financiamento em equivalência-produto.

O secretário da Agricultura, Valter Bianchini diz que a procura para compra do trator popular está surpreendendo em todo o Estado. Até esta terça-feira (25) já tinham sido aprovadas pela Agência de Fomento 184 propostas encaminhadas pela Emater, ¿o que significa que a meta de financiar 500 unidades até o final de 2007 serão atendidas¿, adiantou.

Requião anunciou a extensão das vantagens da tomada de preços dos tratores de 70 e 55 cavalos que ficaram, em média, 30% inferiores aos preços de mercado, também para os demais produtores. Os financiamentos poderão ser feitos pelas linhas de crédito do Moderfrota e do Proger Rural (Programa de Geração de Emprego e Renda), informou o presidente da Agência de Fomento, Antonio Richeta.

Bianchini lembrou que a tomada de preços feita por meio de pregão eletrônico pelo governo do Estado vai beneficiar o agricultor. O trator de 70 CV de potência da empresa Case New Holland, empresa vencedora da licitação, poderá ser adquirido por R$ 47 mil enquanto o preço de mercado desse equipamento é de R$ 72 mil.

O trator de 50 CV de potência da mesma empresa poderá ser adquirido pelo produtor por R$ 40,1 mil enquanto o preço de mercado desse equipamento é de R$ 55 mil.

Os agricultores que não se enquadram nos limites de renda da Agricultura Familiar, mas querem se beneficiar do pregão eletrônico do governo podem procurar a Agência de Fomento, que irá definir as regras de enquadramento dos demais produtores, disse Richeta.

O presidente da Faep, Ágide Meneguette, colocou à disposição do Governo do Estado 200 instrutores do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural do Paraná (Senar) para dar os cursos de capacitação para os produtores que vão operar os tratores populares.

As informações são da Agência Estadual

Participe e comente