O setor metalúrgico é uma das maiores áreas industriais do Brasil, visto que é responsável por diversos procedimentos e técnicas para extração, fundição, tratamento e fabricação dos metais e ligas. A atividade que envolve máquinas pesadas, produtos químicos e altas temperaturas expõe os trabalhadores a riscos constantes. De acordo com as Normas Reguladoras de Segurança da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) há um padrão de risco em cada profissão, segundo esta legislação o trabalho dos metalúrgicos é enquadrado no padrão 3, de risco alto, em razão de elementos do ambiente, como ventilação, iluminação e até de equipamentos.

Independente das tecnologias disponíveis atualmente, o soldador ainda está exposto a diversos risco em seu trabalho, seja com o calor, projeção de materiais, poeira, inalação de fumaça tóxicas, ruídos, entre outros. É preciso atenção também a peças soltas e a forma de uso de equipamentos e ferramentas. Cada função específica no setor metalúrgico expõe os trabalhadores a risco particulares e são esses perigos que vão definir quais equipamentos de proteção individual (EPI) devem ser utilizados. São comuns problemas na visão, em quem trabalha na solda, audição para quem trabalha no torno e coluna naqueles que carregam peso.

Os EPIS são fundamentais durante todo o processo produtivo em empresas metalúrgicas. Cada equipamento é projetado para eliminar ou reduzir ao máximo qualquer possibilidade de acidentes com os profissionais que estão sujeitos há diversas ameaças desde queimaduras leves até a cegueira. Equipamentos de proteção individual como aventais de raspa, máscaras de solda com lentes na tonalidade correta, blusão de soldador, mangote de raspa, botas de proteção com solado isolante e antiderrapante, luvas de raspa, perneiras, touca de soldador, óculos de proteção e protetores auriculares são os mais utilizados neste setor. Além dos equipamentos de proteção coletiva como extintores de incêndio, cortinas inactínicas e sistemas de extração de gases.

De acordo com a legislação sobre o uso de EPIs, é obrigação da empresa o fornecimento, manutenção destes equipamentos e a realização de trabalhos de conscientização. Porém os funcionários também têm deveres como utilizá-los somente para a finalidade destino, guardar e conservar adequadamente todos os itens, além de comunicar ao empregador qualquer dano no equipamento que o torne impróprio para uso. Se você é um trabalhador autônomo, não deixe a sua segurança de lado, compre também todos os equipamentos necessários.
De acordo com a AGN EPI , se as empresas e trabalhadores seguirem os procedimentos de segurança necessários, conseguirão manter um nível de segurança para realização das atividades laborais prevenindo que danos sejam causados a saúde e integridade física de todos. Fique atento e respeite a legislação!

Participe e comente