Pelo quarto mês seguido o Brasil conseguiu gerar empregos com carteira assinada. Segundo o Cadastro Geral de Empregos e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego, foram 35,9 mil vagas formais abertas em julho. O saldo positivo foi impulsionado pelo setor da indústria da transformação, que criou 12.594 vagas. Seguida do comércio, com 10.156; do setor de serviços, com 7.714; da agropecuária, com 7.055; e da construção civil, com 724 vagas – pela primeira vez em 33 meses, segundo o Ministério do Trabalho, a construção civil teve saldo positivo na criação de empregos.

Em seu Twitter (https://twitter.com/meirelles), o Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles diz que a criação de empregos e a queda da inflação “são sinais da recuperação da economia do país, que viveu a pior recessão econômica de sua história” e que “os dados confirmam que o Brasil está no caminho certo e que as medidas corretas trazem resultados concretos”.

Ainda assim, com a sanção da Reforma Trabalhista também em julho pelo presidente Michel Temer, empresas passarão a buscar readaptações à Consolidação das Leis de Trabalho (CLT), não deixando os direitos dos funcionários de lado, mas integrando-os de maneira mais individual e personalizada. Desta forma, atacando o desemprego e fazendo com que grupos "esquecidos ou engavetados" possam ter novo acesso à renda.

É o caso da Atix Seguros. Os sócios-fundadores resolveram implementar uma prática muito pouco usada, principalmente nos dias de hoje: aceitar consultores com boa ou nenhuma experiência nesta área, que queiram uma nova oportunidade para deixar de ser CLT e se tornar um parceiro comercial, sócios das contas conquistadas, podendo abrir sua própria corretora, e tendo ganhos financeiros e profissionais cada vez mais altos. O objetivo é atrair profissionais que nunca trabalharam no meio para, dessa forma, oferecer toda a formação, além de treinamento de coach especial dado pelo próprio Rafael Schaidhauer, um dos sócios.

“A Empresa é uma formadora de profissionais. É isso o que mais prezamos. Queremos formar novos consultores de seguros, e não vendedores. Ensinamos metodologia certa do mercado e fazemos acompanhamento do processo inicial até a apresentação,” destaca Rafael.

É imprescindível, porém, que a pessoa tenha uma lista de contatos interessantes e que pense em crescimento próprio e da empresa. Claro que, diretamente ainda ajuda a aquecer a demanda por empregos já que o Brasil ainda está com uma taxa alta de desempregados. A empresa também traz essa opção para profissionais que já são do mercado, entre 40 e 60 anos, e que não tiveram ainda a oportunidade de empreender neste novo escopo. Com uma visão diferente da importância do profissional, que move a empresa, a Atix funciona através das parcerias com seus representantes, chamados de Associados Autônomos de Seguros. Eles são verdadeiros sócios minoritários da empresa e recebem uma porcentagem considerada acima do mercado por suas vendas (estilo único no mercado segurador): estimulando o capital humano, - o principal recurso da empresa -, e a produtividade.

Com isso, espera-se que a Atix Seguros e tantas outras empresas consigam fazer parte da história na recuperação financeira do Brasil.



Website: http://www.atixseguros.com.br/

Participe e comente