O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) quer impedir que o governo local realize novas operações de securitização de royalties de petróleo, ao mesmo tempo em que investiga ilegalidades em operações desse tipo que teriam causado danos ao Fundo Único de Previdência Social do Estado do Rio de Janeiro (RioPrevidência).

Na última sexta-feira, 13, o MPRJ, por meio Grupo de Atuação Especializada no Combate à Sonegação Fiscal e aos Ilícitos contra a Ordem Financeira, Tributária e Orçamentária (GAESF/MPRJ) ajuizou Ação Civil Pública (ACP) contra o Estado pela prática.

"De acordo com as investigações, a captação de recursos nos mercados domésticos e internacionais por meio de operações de securitização de royalties e participações de petróleo pelo Estado do Rio de Janeiro são permeadas de condutas irregulares e questionáveis, que trouxeram implicações negativas de natureza financeira, tanto no RioPrevidência, como no Tesouro Estadual", explicou o MPRJ em nota.

Entre as irregularidades apontadas junto ao Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ) está a falta de transparência com que essas operações são realizadas e as divergências em relação aos números apresentados para o cálculo de economicidade.

"O Ministério Público Especial junto ao TCE-RJ protocolou três representações, todas no sentido de que o Plenário do TCE-RJ se pronunciasse pela adoção de uma medida cautelar que obrigasse o Rioprevidência a se abster de realizar novas operações de antecipação de recebíveis no mercado externo", diz o MPRJ. O custo estimado para os cofres do Regime Próprio de Previdência dos Servidores (RPPS) da operação de securitização já realizada pelo Rioprevidência é da ordem de R$ 10 bilhões, informou o órgão.

"Essa forma irresponsável de gestão fiscal contribuiu em grande medida para a atual falência do estado. Sob o argumento de captar receitas extraordinárias para o orçamento de 2018, o governo prejudicará o orçamento dos próximos 12 (doze) anos, pagando juros ao mercado e 15% de imposto à União, além de ficar exposto à variação do câmbio. Não custa lembrar que foi exatamente em razão das captações realizadas em 2013 e 2014, que estamos sangrando o orçamento de 2018 em mais de quatro bilhões de reais (R$ 4.627.221.974, segundo consignado na LOA2018)", alerta a denúncia do MPRJ.

Para que se possa dar continuidade a esse tipo de operação, o MPRJ pede que sejam apresentados dados financeiros e orçamentários, com a descrição dos custos efetivos de todas as operações, o rol de todos os investidores e beneficiários das operações já realizadas. Em caso de descumprimento, o MPRJ requer que o governador do Estado do Rio de Janeiro pague multa de R$ 1 milhão.


Participe e comente