Na busca por um emprego, a presença no mundo virtual tem sido determinante. Com 347 milhões de usuários em todo o mundo, cerca de 20 milhões no Brasil, o Linkedin se apresenta como uma rede social voltada exclusivamente para conexões corporativas, portanto, um perfil tem o poder de garantir um trabalho. Ou seja, em um contexto de mais de 12 milhões de desempregados no Brasil, quem sabe se colocar na internet, pode garantir uma colocação concreta no mundo físico.

Quando você preenche um currículo, com que palavras resume sua atuação profissional? Algumas que já tiveram força estão perdendo o efeito de tão utilizadas, tornando-se clichês. Esse é o caso de "especializado", que ocupa o primeiro lugar na lista das buzzwords do Linkedin em 2016, derrubando "responsável", que esteve no topo do ranking por três anos seguidos, de 2013 a 2015.

A lista das buzzwords de 2016 ainda tem: líder, estratégico, focado, responsável, com experiência, inovador, apaixonado, criativo e excelente, todos conceitos que um candidato imagina atrativos a um recrutador. O especialista em marketing digital William Teixeira explica que as palavras não estão "queimadas", mas dificultam que um concorrente apareça.

"Os recrutadores buscaram pessoas mais especializadas em determinados segmentos nos últimos anos. Muitas pessoas, identificando essa questão, começaram a utilizar a palavra e encheu de gente. Para você ser encontrado nessa multidão é muito difícil, por isso a necessidade de outras palavras", diz.

Como sair dos clichês?

Mais do que saber a formação de um candidato, hoje as empresas buscam conhecimentos personalizados. "Existem pessoas que são formadas, mas não conseguem exercer um bom papel nas organizações. É preciso ir a fundo sobre como executa seu trabalho, sua produtividade, como você se comporta dentro da empresa. Tudo isso é passado dentro de um currículo bem elaborado", explica Teixeira.

As palavras-chaves no currículo continuam sendo essenciais, pois são parâmetros nas buscas feitas pelos recrutadores no "Google do universo profissional". A dica é agregar valor. Por exemplo, não colocar apenas especializado, mas em quê e com qual resultado.

Lidia Garcia de Campos, que hoje atua no setor comercial de uma empresa, é prova de que um currículo atualizado no mundo virtual pode sim dar resultado. Com a ajuda do Linkedin, ela conseguiu o emprego em que está há dois anos. Ela acredita que a primeira impressão que se passa aos contratadores se dá no mundo virtual. Além de manter o perfil em dia, ela destaca a importância de expor seus cursos e competências.

Lidia ainda ressalta que o uso da rede social não se esgota ao obter um emprego, mas em fazer as conexões necessárias para o trabalho cotidiano. Atualmente, por exemplo, ela usa o Linkedin para falar com potenciais clientes.

DICAS PARA UM BOM CURRÍCULO NO LINKEDIN
3 Foto com aparência profissional. Perfis com imagens são mais visualizados.
3 Use uma mensagem que reflita sua inspiração profissional.
3 Customize sua URL.
3 Faça um bom resumo de sua vida profissional e conquistas.
3 Poste fotos, vídeos e slides, exercitando a multimídia.
3 Escolha boas palavras-chaves.

RESULTADO. Com ajuda da rede social, Lídia Garcia de Campos conseguiu o emprego onde está há dois anos. —FOTO: JC FRAGOSO

Erros na rede podem ser 'fatais'

A influência do mundo virtual no ambiente de trabalho aponta que é preciso ser mais pessoal no currículo, apontam os especialistas.

Também é preciso enxergar os perfis na internet como currículos informais e que podem influenciar na hora da disputa de uma vaga de emprego.

Erros nas redes sociais podem prejudicar a busca por uma colocação no mercado de trabalho.

Comentários irresponsáveis, como o caso do estagiário de Maringá que postou frases sexistas em fotos no Facebook, mostram que publicações pessoais podem tomar proporção pública. Portanto, o cuidado com fotos e opiniões deve ser redobrado sempre.

Outro ponto importante é a ter uma atenção especial com a língua portuguesa. O uso de palavras erradas saltam aos olhos. E a língua usada de maneira correta chama a atenção de recrutadores. /// PA

Participe e comente