Não deve haver nenhuma dúvida sobre as vantagens de retirar o saldo total de contas inativas do Fundo de Garantia. É um dinheiro de dificílimo acesso. O trabalhador só poderá sacá-lo para a compra de imóveis pelo Sistema Financeiro da Habitação (SFH), quando se aposentar, em casos de doenças graves ou de tragédias como inundações ou incêndios, por exemplo, ou ainda de falecimento, quando os dependentes legais poderão levantar o saldo.

Não bastasse isso, as contas do FGTS são corrigidas pela TR mais juro de 3% ao ano, ou 0,25% a cada mês. Uma correção que está longe de preservar o patrimônio do optante diante dos efeitos da inflação. Há cálculos mostrando que nos últimos 17 anos houve uma perda de 39% em relação à inflação. Ou seja, qualquer outro destino que venha a ser dado aos recursos do FGTS como pagamento de dívidas ou aplicações em renda fixa, o resultado será mais interessante ao participante.Portanto essa possibilidade de retirar esse dinheiro, trazida pela Medida Provisória nº 763, vem cair como uma luva no momento de arrocho no bolso do brasileiro.

Então, mãos à obra para saber se você está entre os mais de 30 milhões de participantes do fundo em condições de levantar esses recursos, o que é uma conta inativa, quem vai poder e como sacar.

O que saber

É considerada inativa a conta do FGTS que ficou sem depósito desde 31 de dezembro de 2015. É o caso que quem pediu demissão ou foi demitido por justa causa até essa data e nessas condições não pôde retirar o dinheiro de sua conta.

Para saber se tem alguma conta inativa, o interessado pode entrar no site da Caixa Econômica Federal - www caixa.gov.br - ou no site do próprio fundo - www.fgts.com.br. A consulta pode ser feita com o número do PIS-Pasep, o NIS e somente por esses sites oficiais, porque já há sites fraudulentos no ar, que estão se aproveitando para capturar dados dos participantes.

O período de pagamento será de 10 de março a 31 de julho de 2017, e a liberação acontece de acordo com o mês de nascimento do participante.

Participe e comente