O mercado de franquias apesentou resultados considerados positivos no segundo trimestre deste ano. No Paraná, houve um crescimento de 7,1% no faturamento de abril, maio e junho, em relação ao mesmo período do ano passado, chegando a R$2.078 bilhões. No Brasil, houve crescimento nominal de 6,8% nos três últimos meses do semestre, na comparação com o o mesmo período ano passado. As informações são da Associação Brasileira de Franchising .

De Campo Mourão, Nathalia Zibetti, agora morando em Maringá, abriu uma franquia de roupas de praia no Maringá Park Shopping Center recentemente e já comemora os resultados. "Estamos atendendo muita gente que vai viajar", diz.

Nathalia, que trabalhava com o marido em uma empresa própria, tinha vontade de empreender. Escolheu uma franquia confiando no suporte oferecido por este modelo de negócio. "Fui a algumas feiras, descobri uma marca que ainda não tinha loja exclusiva em Maringá e estou bem animada. O modelo de franquia oferece uma ótima estrutura", diz.

Segundo a diretora regional da ABF Sul, Fabiana Estrela, as franquias vão bem em tempos de crise porque são oportunidades para quem está sem emprego e porque oferecem suporte, entre outras razões. "Quando o empresário está sozinho, é mais difícil de ele conseguir inovar. Quando uma ideia dá certo, vira padrão. Quando algo não vai bem, há um grupo pensando uma solução", diz.

Fabiana destaca que o mercado de franquias desacelerou na comparação com 2014 e 2015, mas vem mantendo um bom ritmo desde o ano passado e tende a melhorar. De acordo com ela, nas franquias a expectativa é de mais contratações para o segundo semestre, quando no mesmo período do ano passado houve demissões.

Participe e comente