Em um mercado de trabalho que conta ainda cerca de 13 milhões de desempregados, pessoas com mais de 50 anos – entre 50 e 64 anos – disputam com os mais jovens uma vaga no mercado formal de trabalho. Iniciativas em que tem sido bem sucedidos, pois cresce a cada ano a participação de pessoas com mais idade no trabalho formal.

Dados da Relação Anual de Informações Sociais (Rais) apontam que o número de pessoas dessa faixa etária na ativa aumentou quase 30% entre 2010 e 2015 – passou de 5 899.157 trabalhadores com carteira assinada, em 2010, para 7.660 482, cinco anos depois.

O aumento da presença de pessoas ainda com mais idade também foi constatado pelas informações da Rais, segundo as quais o número de trabalhadores da faixa etária acima de 65 anos nas vagas formais subiu 58,8% nesse período, de 361.387, em 2010, para 574.102, em 2015.

As razões que levam uma pessoa idosa, a maioria já aposentada, a voltar ao trabalho variam de trabalhador para trabalhador, mas a principal motivação é a financeira, obviamente.

Como a rendimento obtido com o benefício é insuficiente, em uma idade que os gastos, sobretudo com remédios e plano de saúde, ficam maiores, complementar a renda se torna mais uma necessidade do que uma opção para dar novo sentido ao tempo livre e ajudar no reforço ao orçamento. Principalmente em um ambiente de severa crise econômica pelo qual o País atravessa há quase três anos.

Direitos e dificuldades

Voltar à atividade, após encerrar formalmente a carreira, não é algo simples para as pessoas com mais idade ou aposentado. Além do preconceito, uma das dificuldades é aceitar, quase sempre, o inevitável rebaixamento da remuneração.

A legislação trabalhista também conspira contra a pessoa que retorna ao trabalho, ao exigir a contribuição previdenciária, ainda que já esteja aposentada, sem que ela redunde em aumento do valor do benefício.

De todo modo, a legislação assegura ao aposentado que volta ao trabalho a maioria dos direitos dos demais trabalhadores: férias, 13º e salário-família. Ele não tem acesso, porém, ao auxílio-acidente e auxílio-doença.

Participe e comente