Como aumentar a lucratividade do rebanho de maneira fácil e simples? A resposta para essa pergunta está nos índices Vida + Eficiente (V+E) e Vida + Saudável (V+S), desenvolvidos com exclusividade pela CRV. Na prática, o V+E proporciona melhoria na produção, na longevidade e na conversão alimentar das vacas. Já o V+S permite a melhoria simultânea da fertilidade e sanidade, gerando animais livres de problemas e de fácil manejo.

Dois grandes clientes e parceiros da CRV Lagoa comprovam, na prática, os resultados dos índices: a Agrindus S.A., de Descalvado (SP), e a Fazenda Fini, de Castro (PR).

Agrindus

Com mais de 70 anos de história, a Agrindus ordenha cerca de 1.700 vacas, produzindo aproximadamente 60.000 kg de leite por dia. Parceira do programa Gestor Leite e utilizadora do software de acasalamento SireMatch, a propriedade possui o maior rebanho holandês registrado do Brasil, com um total de 3,6 mil fêmeas da raça.

A Agrindus prima pela ótima qualidade, industrializa o leite e produz derivados nobres na própria fazenda, possuindo a certificação BDK Kosher em todos os seus produtos. Panorama que comprova a eficiência da evolução genética do rebanho e dos índices V+E e V+S.

A conversão alimentar dos animais e a eficiência reprodutiva são fatores de extrema importância para a fazenda. Vacas que produzem leite com mais eficiência em relação à quantidade de alimento ingerido, reproduzindo com regularidade (uma cria por ano) e com vida produtiva longa, fazem da Agrindus uma das mais importantes fazendas produtoras de leite do Brasil.

A influência da eficiência na lucratividade da fazenda é direta. De um grupo contemporâneo de 388 vacas que tiveram o primeiro parto em 2010, houve uma diferença de 5,8 kg de leite na produção diária, 197 dias na vida produtiva e, por fim, 11.764 kg de leite na produção vitalícia dos animais entre os 25% superiores e 25% inferiores vacas do rebanho para V+E.

“Para nós, os índices significam a diferença entre o lucro e o prejuízo. Uma vaca que deixa 11.000 kg a mais que a outra, ou que deixa 5 kg por dia em 300 dias de lactação, pode significar a margem de lucro dos animais em relação aos outros. O que agrega é que os índices facilitam muito o critério de escolha”, comenta Roberto Jank Jr., diretor da Agrindus.

Já no campo da sanidade, o objetivo da fazenda é buscar vacas mais férteis e saudáveis, de fácil manejo e que produzem sem problemas. Do mesmo grupo contemporâneo das 388 vacas que tiveram o primeiro parto em 2010, aquelas que estavam entre as 25% superiores do rebanho para V+S tiveram -46% de CCS em relação às 25% inferiores. O mesmo acontece no intervalo entre partos (IEP), em que a diferença foi de 32 dias. Além disso, houve um aumento de 22% na fertilidade das filhas desse grupo de vacas melhores.

Para aumentar a produção, precisamos ter animais mais saudáveis, mais longevos, com boa reprodução, com boa conversão alimentar e que possam produzir mais e diluir melhor os custos fixos da unidade como um todo. Temos que perseguir os melhores animais e replicá-los com as ferramentas de reprodução, seguindo esse modelo de avaliação que a CRV está nos proporcionando”, conclui Jank.

Fazenda Fini

Outra grande produtora de leite no Brasil, a Fazenda Fini tem, atualmente, 920 animais em lactação, com uma média de 40 litros de leite por animal, por dia, em três ordenhas, em 160 hectares próprios, além de cerca de 100 hectares alugados de vizinhos.

São 60 anos de seleção, com foco em produção e durabilidade dos animais. “A questão da longevidade é importante, porque as vacas permanecem no rebanho. Também precisamos de informações de conversão alimentar, quanto um comeu mais do que o outro, qual vai ser a diferença entre os animais. Isso soma muito para o produtor de leite”, destaca Hans Jan Groenwold, diretor da Fini, que também é parceira do Gestor Leite.

“Há cinco anos estamos trabalhando com o Gestor Leite. Para o produtor, é uma ferramenta a mais que se pode usar, selecionar e avaliar o rebanho que se tem em mãos. É uma grande vantagem”, completa o produtor.

Para o grupo contemporâneo de 124 vacas, com primeiro parto em 2010, a performance da Fini para eficiência registra 5,7 kg de leite a mais na produção diária das vacas, 111 dias a mais na vida produtiva e 11.277 kg de leite a mais na produção vitalícia dos animais. Já no quesito sanidade, registrou-se 33% a menos na CCS, 28 dias a menos no intervalo entre partos e 36% a mais na fertilidade das filhas.

“Tudo o que vem para somar dentro de uma propriedade é fundamental, como esses índices da CRV Lagoa. Você consegue selecionar para os objetivos que deseja e evita perdas desnecessárias. É preciso trabalhar com números, senão fica difícil”, conclui Hans.

Experiência e inovação

O Grupo CRV trabalha com melhoramento genético de bovinos leiteiros há mais de 142 anos, sendo a organização com a maior experiência mundial nesta área. Seu foco de seleção busca maximizar a produção vitalícia e, ainda, com vacas livres de problemas e de fácil manejo.

Para tanto, criou-se o conceito da Eficiência Vitalícia, aplicados através dos índices V+E e V+S, que, juntos, se tornam as ferramentas mais eficazes para nortear assertivamente os objetivos de seleção das propriedades leiteiras. O conceito é extremamente oportuno e vem de encontro com as principais demandas e desafios dos rebanhos leiteiros.

Com os índices Vida + Eficiente e Vida + Saudável, você toma decisões simples e assertivas, que proporcionarão aumento da eficiência vitalícia e lucratividade do seu rebanho. Agora que a questão do começo do texto foi respondida,

Participe e comente