Na contramão da crise, o Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio cresceu 4,48% em 2016, de acordo com sondagem realizada entre o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea/Esalq/USP), em parceria com a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). Segundo dados do mesmo levantamento, o setor agrícola teve um aumento de 5,77% e o pecuário de 1,72%. Já o segmento primário acumulou 6,44%, os serviços 4,50% e a indústria 2,85%.
Um dos maiores responsáveis pelo crescimento do PIB do agronegócio, o ramo agrícola progrediu graças a algumas lavouras que tiveram índices positivos e crescimento do faturamento anual, como a banana (52,09%), batata (10,34%), café (18,41%), cana-de-açúcar (18%), feijão (19,48%), laranja (42,47%), mandioca (112,53%), milho (17,14%), soja (1,95%) e trigo (26,90%). Para 2017, o segmento primário agrícola deve seguir em evidência, dadas as previsões de safra recorde para importantes culturas, como milho e soja.

Afetado pela crise, o segmento primário da pecuária viu a bovinocultura de corte afetar o desempenho enquanto a avicultura teve resultados positivos. De acordo com os pesquisadores da Cepea, este fato é decorrente da substituição do consumo de proteínas mais caras pelas de menor valor. O setor leiteiro teve o ano de 2016 marcado pela alta de preços provocada pela baixa oferta do produto.

No segmento de insumos, enquanto a indústria de rações se destacou com variações positivas, impulsionadas principalmente pelos maiores preços do milho e farelo de soja. Os fertilizantes, combustíveis e lubrificantes tiveram queda tanto de preços quanto de quantidades, segundo os dados do Cepea.

Ainda que as projeções do mercado já deram sinais de recuperação, o ano de 2017 segue no campo da incerteza. No entanto, o agronegócio deverá ser o setor com maior crescimento durante o ano. Segundo as projeções do CNA, o PIB do agronegócio deve crescer 2% em 2017, enquanto o crescimento esperado para o PIB Brasileiro é de 1,1%. A crise econômica irá afetar o progresso até o final do primeiro semestre, comprometendo a prosperidade do indicador.

Para manter o crescimento, os empresários do agronegócio devem investir em maquinários, acessórios, materiais que aumente a qualidade dos seus produtos como escovas para limpeza tais como as da Weinberger , teteiras, tratores, etc. Com o investimento correto e as ações e propostas do governo federal, o setor tem tudo para apresentar bons resultados durante o ano.


Participe e comente