A crise passa longe do segmento de tecnologia em automação residencial. A informação vem de uma pesquisa encomenda pela InfoComm para a terceira edição da maior feira do segmento no Brasil, a TecnoMultimedia InfoComm, programada para o mês de maio, em São Paulo.

Na avaliação dos investidores os recursos da automação residencial já se "popularizam" no país. Esses mecanismos proporcionam a integração entre dispositivos automatizados para oferecer conforto, eficiência e economia, além de segurança para os moradores.

Utilizados em diferentes escalas, conforme o poder aquisitivo dos clientes, esses produtos nas roupagens de programas ou aplicativos ou mecanismos de automação, interferem diretamente na qualidade de vida dos moradores. Ainda de acordo com os analistas da InfoComm, o conceito de automação residencial já está ao alcance de outras camadas da população além das classes A e B.

Há sistemas mais simples para a integração para diversos ambientes, mecanismos específicos para redução e controle do consumo de água e energia, sistemas de segurança integrados à comunicação, entre outros. "Em uma pesquisa recentemente revelou-se que o crescimento do mercado de home theaters é impulsionado pela classe média, o que demonstra também sua ascensão nos principais países da América Latina. Com um maior poder de compra, essas famílias estão equipando suas casas com mais tecnologia", afirma Victor Alarcón, gerente de projetos da TecnoMultimedia InfoComm.

Em Maringá o mercado cresce ano a ano e há outra razão para isso além da comodidade. Nos imóveis onde os sistemas de automação são implantados a valorização é imediata e, por representar um economia real de custos de manutenção, esse tipo de recurso também tem se tornado comum em prédios comerciais e até em algumas indústrias onde a economia de energia é quase imediata. Para uma das empresas especializadas em projetos e instalação desse tipo de sistema em Maringá a mudança de comportamento do consumidor está ligada a esse retorno que a automação oferece.

A estimativa é que em médio e longo prazo, a automação residencial "se pague". Assim como outros modos inteligentes de gestão de água e energia, colocando-se na ponta do lápis o custo de antes e depois da instalação do sistema é possível contabilizar a reversão de gastos. Em dois ou três anos, conforme o sistema e equipamentos envolvidos, boa parte do investimento se converte em economia nas contas de água e de energia elétrica.

SERVIÇO
TecnoMultimedia InfoComm 2016 - Feira da indústria de Áudio, Vídeo, Iluminação e Sistemas Profissionais Integrados.
O evento é voltado aos profissionais, empresas e investidores. A feira vai ocupar uma área de 7 mil m2 dividida entre 150 expositores. O público esperado deve esperar o de 2015 que chegou aos 14.261 visitantes. Além dos estandes, debates e palestras estão programados.
A feira acontece de 10 a 12 de maio, das 13h às 20h, no São Paulo Expo (Rodovia dos Imigrantes, Km 1,5 – Vila Água Funda). Outras informações pelo site oficial da feira em www. tecnomultimedia.com.br


PRATICIDADE. Automação promove economia com contas de água e de energia, o que representa economia real . —FOTO: DIVULGAÇÃO

Consumo de sistemas no Brasil parte do home theater

A Associação Brasileira de Automação Residencial (Aureside) estima que dois milhões de residências brasileiras têm potencial para utilizar sistemas automatizados, mas nem 20% desse total usufrui dessas ferramentas portanto há que se investir em estratégias para que mais pessoas conheçam as possibilidades disponíveis no mercado.

Uma boa notícia é que o número de empresas que fornecem ou fabricam soluções, assim como de serviços de automação residencial, triplicou em menos de cinco anos. Victor Alarcón diz que, embora se trate de um crescimento considerável, ainda se vive a "infância" desse mercado no país e isso é natural nos mercados emergentes.

Brasileiros adoram tecnologia

Por enquanto, quem impulsiona o crescimento do segmento no Brasil é o consumo da classe média para projetos simplificados de home theaters. Por outro lado o maior investimento continua nas classes mais abastadas, o tipo de produto mais consumido é relacionado a segurança e vigilância. As pessoas com maior poder aquisitivo consomem também projetos mais complexos que envolvem desde a climatização, iluminação interna e externa, monitoramento de ambientes (bebês e crianças, garagens), acionamento de eletrodomésticos a distância, comunicação e integração de aparelhos de áudio, vídeo, entre outros recursos que utilizam ferramentas de automação. /// Juliana Fontanella


Participe e comente