Em 2016, a Secretaria de Planejamento e Urbanismo (Seplan) de Maringá aprovou 1.586 lotes, sendo 30 em condomínios. A quantidade é superior a 2015 (577lotes, 94 em condomínios) e a previsão é de expansão ainda maior para 2017, quando são previstos 1.639 lotes - os condomínios, neste caso, não foram especificados pela Seplan.

Os números refletem o crescimento urbano do município. Enquanto a maioria dos novos loteamentos, inclusive aqueles em processo de aprovação, se concentram na região sul, do outro lado da cidade novos empreendimentos atendem demandas específicas. Uma dessas faixas é a de investidores que buscam terrenos maiores para a construção de imóveis novos na região norte.

O Jardim Munique é um desses novos bairros. Localizado na região nobre da Avenida Mandacaru (região da Gleba Ribeirão Maringá), foi o empreendimento com o maior número de lotes aprovados, 588 no total. De acordo com a direção da BMW Loteadora e Administradora de Imóveis, o projeto se destina à ocupação de famílias de classe média e média alta. Na área em torno do novo bairro, construções novas têm estabelecido um novo padrão arquitetônico para a região com imóveis de até 700 metros quadrados de área.

O empreendimento foi planejado para oferecer um novo conceito em urbanização. Segundo Teo Granado, um dos responsáveis pelo empreendimento, a proposta foi desenhar um bairro nos moldes dos subúrbios norte-americanos com alameda de palmeiras, ciclovias, quadras de uso comum, Academia da Terceira Idade (ATI), espaços de convivência, paisagismo com arborização e jardins e iluminação similar a de um condomínio horizontal.

"Muita gente pergunta de quanto será a taxa de condomínio, mas não tem. O meu sonho é que todo o loteamento siga esse conceito e tenhamos aqui aquela sensação de tranquilidade e harmonia com a natureza que você vê em bairros nos Estados Unidos. O que nós faremos, ficará como um legado para o bairro e para a cidade", afirma.

O projeto do Jardim Munique está com 80% das obras de infraestrutura concluídas, inclusive o paisagismo e o plantio das flores.

Falta apenas concluir o pórtico de entrada no bairro, um trecho curto de asfalto e outras obras menores. O processo de comercialização já começou e os primeiros 100 lotes foram vendidos na semana de lançamento.

Estão disponíveis terrenos de 300 metros quadrados para a construção de uma residência e de 400 metros quadrados, destinados à construção de duas casas. Os preços partem de R$100 mil por terreno com entradas de R$1.200.

Segundo Teo Granado, o Munique tem todos os elementos de um condomínio fechado, porém sem os muros. Em relação ao futuro do bairro, ele acredita que a predominância de construções de médio e alto padrão no entorno servirá de parâmetro arquitetônico para os futuros moradores.
/// Colaborou Ederson Hising.



Participe e comente