Piso riscado, torneiras quebradas, porta lascada. Quanto maior a lista de problemas decorrentes do mau uso da casa ou apartamento, mais caro será para inquilino dar fim ao contrato de aluguel quando decidir se mudar. Evitar que a conta fique cara passa por somente uma atitude: preservação.

Há 25 anos no mercado, a gerente de locação da imobiliária, Rosana Cristina Mochi, relata que já viu uma conta chegar a R$ 10 mil de tantos reparos que foram necessários. "Teve um caso de um sobrado inteiro pichado. Não tinha um espaço para mais nada. Por isso a pintura ficou mais cara", relata Rosana.

Na maioria dos casos, é necessário arcar com uma pintura simples. É que a geralmente os imóveis são entregues ao inquilino com pintura nova, e é obrigação devolvê-lo no mesmo estado. Mas, outras pendências só se tornam também obrigação se o locatário relaxar.

O primeiro passo para evitar gastos extras é observar o imóvel no início do contrato. Se houver desacordo entre o estado e o documento que descreve o imóvel, é preciso fazer contato imediato com a imobiliária ou proprietário.

Conforme ensina Rosana, depois é só fazer dos cuidados básicos uma rotina, o que inclui a limpeza de calhas e quintal, resposição de objetos quebrados, evitar arrastar móveis sem proteção ou jogar água em portas.

"Às vezes, quebra um puxador, um trinco. Muita gente deixa acumular e depois se surpreende", exemplifica Rosana. Ela acrescenta que ao contratar o serviço de conserto,na saída do imóvel, vale a pena supervisionar com cuidado para não haver gasto com retrabalho.

Participe e comente