Novembro marca o início da corrida pelos imóveis de veraneio. Para garantir férias sem estresse no litoral, fazer uma boa busca pelo imóvel ideal é um ótimo começo. Se a família conhece o destino tudo fica mais fácil, pode-se até selecionar o bairro de preferência.

Para a família de Vinícius Ducca, conhecer o lugar trouxe mais segurança à decisão. Eles selecionaram um imóvel nas proximidades de outro onde haviam ficado anos antes.

Antes de reservar o imóvel, Vinícius procurou referências de pessoas e empresas sobre a imobiliária que faria o negócio. Depois de checar as avaliações, ele confirmou a viagem. "Nós já havíamos ficado na cidade, então queríamos voltar lá. Como eu consegui encontrar este apartamento em um valor acessível, nós vamos de novo".

Outra vantagem é saber que tipo de imóvel está disponível porque um bom apartamento à beira mar pode ser até mais confortável que uma casa. As buscas são feitas em classificados de jornais, anúncios em sites de imobiliárias e de serviços. Também há alguns aplicativos que facilitam a vida do veranista. A maioria traz informações completas com fotos ou vídeos com a descrição dos imóveis, endereços, preços, disponibilidade e até comentários de outros usuários.

A jornalista Michelle Muniz está planejando as férias na praia com o marido e a filha. No ano passado a família usou um site especializado em hospedagem. Eles gostaram da experiência e vão repetir "a dose".

O site disponibiliza o contato do proprietário do imóvel e ela diz que a indicação de alguém que já havia se hospedado no local também ajudou na decisão. "Nós vamos para a praia de São Francisco do Sul, em Santa Catarina. É a segunda vez que vamos ficar lá e já nos sentimos 'parceiros' dos donos", conta.

Vinícius e Michelle fizeram exatamente o que orientam os especialistas em negócios imobiliários. Caso a pessoa não encontre um imóvel de veraneio disponível em uma imobiliária da cidade de origem, a pesquisa realmente faz muita diferença. Um corretor de confiança da família também pode dar referências de outras imobiliárias ou corretores no litoral.

A vice-presidente de locação do Sindicato da Habitação do Paraná (Secovi/PR), Fátima Galvão, afirma que pesquisa e referência são fundamentais, mas se a pessoa puder ver o imóvel antes de fazer a reserva é sempre melhor.

Ao fechar negócio com pressa ou às cegas, a pessoa se sujeita a surpresas desagradáveis como chegar ao local e se decepcionar porque ele não corresponde ao prometido. Ou pior, ver que o endereço não existe. Fátima acrescenta que o locatário deve ter certeza de que escolheu a localização melhor possível e não selecionar o imóvel apenas pelo preço ou proximidade da praia.


BUSCA. Procura por casas e apartamentos de veraneio se intensifica a parti de novembro. — DIVULGAÇÃO

Participe e comente