Escolher móveis, objetos, revestimentos e outros itens que compõem o visual de uma casa, apê ou sala comercial é tão particular quanto fazer opção por roupas. Mas, em nome da funcionalidade, quando o assunto é decoração vale a pena considerar algumas 'regras' básicas.

Segundo a arquiteta Adriana Lima, o espaço de circulação é um dos principais aspectos a serem levados em conta. Se o ambiente for pequeno, é preciso no mínimo entre 50 e 60 cm para circulação. No caso de um quarto, de cada lado da cama deve haver 80 cm e à frente, 60, no mínimo.

Outra dica é evitar iluminação de parede em locais onde possa ofuscar a visão. Nesse sentido, não coloque uma arandela logo acima da TV.

Também vale evitar luzes que incidam direto sobre a tela, prejudicando a imagem. "Indico trabalhar com arandelas, luz difusa (...), mas de modo aconchegante. O dimmer (variador de luminosidade) ajuda a criar um clima diferente", acrescenta Adriana.

Para ajudar a delimitar espaços, tapetes são boa saída. Em um ambiente integrado, a sala fica bem demarcada com o uso do acessório, por exemplo.

Adriana explica que o tapete deve avançar além dos móveis. Na sala, deve 'ultrapassar' as laterais do sofá em cerca de 20 cm. Se houver mesinha lateral, é preciso verificar se o móvel cabe nos limites do tapete, para evitar que fique bambo.

Quanto às cores, a arquiteta explica que tão errado quando colorir de mais, o que pesa o visual, é colorir de menos, deixando tudo sem personalidade. Uma dica é usar a base clara e deixar as cores para objetos, como xales para sofá.


Participe e comente