Levantamento mais recente do Instituto Paranaense de Pesquisa e Desenvolvimento do Mercado Imobiliário e Condominial (Inpespar), órgão ligado ao Sindicato da Habitação e Condomínios (Secovi), mostra que o bairro com maior número de imóveis disponíveis para locação em Maringá é a Zona 7, com 1.192 ofertas entre imóveis residenciais e comerciais.

Em seguida, aparece o conjunto dos imóveis sem bairro específico, somando 934 unidades, o Condomínio Recanto da Serra, com 193 imóveis, e a Zona 3, com 175 unidades disponíveis.

Os números são relativos ao mês de novembro e confirmam a tendência de diminuição de ofertas no último trimestre. Em relação a outubro, por exemplo, o número de ofertas na cidade caiu quase 2%. Foram 5.121 imóveis disponíveis no mês passado, contra 5.225 em outubro.

"A partir da virada do semestre as pessoas ficaram mais otimistas e o segmento imobiliário deu uma reagida", comemora o vice-presidente do Secovi em Maringá, Alexandre Nicolau.

Alguns fatores que, segundo ele, contribuíram foram a queda dos juros e a postura mais flexível do mercado. Nos últimos meses, além de seguirem a lei da oferta e da procura que sempre geriu os preços no segmento, os corretores aprimoraram a forma de fazer negócios, ajustando as condições de pagamento e financiamento à realidade do cliente.

O ritmo mais lento de novos lançamentos em 2016 e 2017 ajudou a valorizar os imóveis prontos, o que também contribuiu para a recuperação local. "Aprendemos a sair da negociação tradicional, o que nos leva a um cenário ainda mais favorável para o ano que vem", comemora.

Para o imobiliarista Nelson Barbosa Junior, diretor da Ingaville Imóveis, o segmento é sempre o primeiro a entrar na crise e o último a sair, por isso também foi preciso correr em busca de resultados desde que ela começou, ainda em 2015.

A "reinvenção" transformou a forma de fazer negócio. O corretor busca satisfazer as necessidades do cliente em várias regiões e não paenas uma, por exmplo.

Metro quadrado

O padrão de imóvel mais desejado em novembro foi a quitinete na Zona 7, região da Universidade Estadual de Maringá (UEM). O valor médio do metro quadrado sai por R$ 20,6 no bairro mais caro da cidade. Já o imóvel do mesmo padrão na Vila Esperança, bairro vizinho, sai por R$ 15,41 o metro quadrado.

Na Zona 1, o metro quadrado de uma loja é R$ 24,54; na Zona 4, bairro ao lado, R$ 22,29; no mais "desejado", a Zona 7, o valor médio do imóvel comercial sai por R$16,75.


Participe e comente