• Azulejos que se soltam em efeito dominó

  • Josi Costa

As aparências podem enganar mesmo. Em alguns casos, um erro de avaliação pode custar caro. Cerâmica para arquitetos, engenheiros, mestre de obras e pedreiros é o mesmo que azulejo para leigos. O assunto em pauta é esse clássico revestimento da construção civil, apesar de toda evolução tecnológica dos materiais de acabamento.

Ao construir ou reformar, o piso é um dos últimos itens instalados, mas não menos importante. O azulejo é uma peça cerâmica de pouca espessura, geralmente quadrada e resistente.

Dos materiais para revestir pisos, por exemplo, ainda é uma das opções mais acessíveis, principalmente para grandes áreas. Porém, o uso de material inadequado e mão de obra desqualificada podem comprometer o resultado final do trabalho a qualquer tempo.

Você começa a caminhar pela casa e de repente o piso começa a ranger e a levantar em efeito dominó. A sensação é um misto de medo e insegurança.

Ora parece que o piso vai quebrar inteiro, ora a impressão é que ele vai afundar. Numa situação como essa não se deve protelar. É preciso resolver de forma rápida e eficiente e não perder tempo, não neste momento, tentando entender as causas desse ‘fenômeno’.

Se o orçamento permitir, o ideal é recorrer a um arquiteto, já que o assunto é acabamento. Outra opção mais prática e acessível é contratar o serviço de um azulejista profissional para avaliar o estrago e resolver o problema.

O primeiro desafio é encontrar esse trabalhador, porque a maioria está ocupada em grandes construções ou mesmo em pequenas obras e reformas. Erci Batista Moreira é experiente na aplicação de revestimento. Atualmente trabalha numa grande construtora.

Divulgação

Cerâmicas antigas ou sob umidade podem se desprender e estufar

Ele diz que cerâmicas ‘levantadas ou estufadas’ são mais comuns em apartamento antigos, porque com o tempo o rejunte (uma espécie de cola) seca e começa a esfarelar, perdendo a função de fixar as peças.

O azulejista chama atenção para outro fator que também pode causar esse tipo de estrago: apartamentos que passam muito tempo fechados. Nesse caso, o piso retrai ou dilata pelo choque de temperatura, bastante comum nesse período do ano, outono/inverno.

"Os pisos antigos não aguentam mais de dez ou 15 anos. Tirar essas peças e recolocar é um trabalho complicado, porque muitas vezes eles estão bem encostados à parece", comenta.

Repagine

E o profissional tem der ser artista, já que cada peça quebrada é um problema. A questão é onde encontrar a peça para fazer a reposição. A busca deve começar por casas especializadas, mas corre-se o risco de não achar igual, uma vez que a maioria dos pisos antigos não tem peças para reposição.

Outra opção é aproveitar para remover todo o piso e repaginar o apartamento com um novo revestimento. O metro quadrado para retirar e recolocar custa em média R$ 30, mas pode oscilar para mais ou para menos, dependendo, dentre outros fatores, da urgência em resolver o problema.

 

Serviço bem feito e produto adequado fazem a diferença

Umidade excessiva ou infiltração, má qualidade no assentamento e não observação da norma podem comprometer a placa cerâmica.

Utilize o método de dupla colagem no assentamento das placas, não deixando espaços vazios, os famosos ocos, que colaboram para o aparecimento das trincas.

Liberar o tráfego no local apenas sete dias após o término da obra.

Ignorar as instruções do fabricante de argamassa como tempo em aberto, armazenagem, data de validade e instruções para o preparo pode resultar no descolamento da placa.

O portal odiario.com reserva-se o direito de não publicar comentários de conteúdo difamatório, calunioso e ofensivo. Os comentários não autorizados ficarão visíveis somente para os contatos/amigos da rede social do autor.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Shopping

Anuncie nos classificados de O Diário

Pague com:

Loterias

  • Números sorteados
  • 26
  • 57
  • 20
  • 32
  • 45
  • 41

Publicidade

Aviso importante: A reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo (textos, imagens, infográficos, arquivos em flash, etc) do portal odiario.com não é permitida e, caso se configure, poderá ser objeto de denúncia tanto nos mecanismos de busca quanto na esfera judicial. Se você possui um blog ou site e deseja estabelecer uma parceria com odiario.com para reproduzir nosso conteúdo, entre em contato pelo e-mail parceria@odiario.com.

odiario.com 2010 © Todos os direitos reservados à Editora Central Ltda - O Diário do Norte do Paraná. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuido sem prévia autorização.