Na manhã desta terça-feira (10), um bombeiro de Maringá ajudou a salvar Sophia Rodrigues dos Santos, uma criança de apenas 7 dias, que não conseguia respirar. O subtenente Amilton Santana recebeu a ligação da mãe do bebê e a instruiu por telefone, sobre o que era preciso fazer para que a criança ficasse bem.

O áudio da ligação, fornecido pelo Corpo de Bombeiros, revela que a mãe, Gislaine Rodrigues dos Santos, de 31 anos, estava bastante abalada. Ela inicia a conversa com voz de choro e diz que a bebê não está respirando. O subtenente Santana, então, calmamente explica o que precisa ser feito: sentar, colocar a criança no colo de barriga para baixo e inclinar um pouco o corpinho dela, de forma que a cabeça fique mais baixa que o restante do corpo. Ele pede também para que empurre um pouco o queixo da criança, para abrir a glote, e bata 4 vezes nas costas do bebê.

Gislaine repassa as instruções à mãe dela, que estava segurando a criança e depois diz que a filha parecia estar respirando de novo. O bombeiro pede o endereço da casa e diz que enviará uma ambulância para o local, mas pede para que a mãe continue conversando com ele, como mostra o diálogo a seguir:

BOMBEIRO - “Vou mandar uma ambulância aí, mas continua conversando comigo. Ela voltou a respirar?”

MÃE – “Parece que voltou, mas ela tá molinha, tá vermelha”.

BOMBEIRO - “Ela estar vermelha é ótimo. Só não pode estar roxinha”

MÃE - “Ela deu uma tossidinha agora, mas ela tranca a garganta, parece”

Santana pediu à Gislaine para repetir as instruções que ele havia passado e colocar o ouvido próximo ao nariz e a boca, para ter certeza que ela estava respirando. “Tá respirando”, disse ela, aliviada.

Quando questionada se Sophia havia engasgado durante a amamentação, ela respondeu ao bombeiro que tinha amamentado ela havia uma hora e meia, mas que o bebê não havia arrotado ainda. Segundo ela, a criança engasgou depois do banho.

De acordo com Gislaine, Sophia não é a primeira filha dela. “Na verdade, a gente já sabia o que fazer, mas o desespero é tão grande, que a gente ligou pra ver se tinha mais alguma coisa que podia ser feita. Eles aconselharam tudo direitinho e a bebê voltou a respirar. Mesmo assim, eles mandaram uma ambulância aqui”.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, a bebê não precisou ser levada ao hospital, pois já passava bem.

Participe e comente