A empresa Sial concluiu a construção das estruturas das duas edificações operacionais do Terminal Intermodal de Maringá – uma destinada à venda de passagens e aos sanitários, e a outra, à central de videomonitoramento para controle de frotas e outros serviços. A construtora aguarda o avanço das obras para realizar acabamentos.

Além dos dois edifícios, a empresa finalizou fundações de aproximadamente 13 metros de profundidade para receber as bases da cobertura metálica das plataformas de embarque. A etapa de adequações no subsolo, de pavimentação, implantação de calçadas e todas as etapas e instalações dentro da estrutura metálica devem ser concluídas até o final deste ano ao custo de R$ 24 milhões.

Nesta semana, foi assinado o contrato de mais de R$ 22 milhões com a empresa Salver, de Santa Catarina, vencedora da licitação para a fabricação de estruturas e coberturas metálicas, entre as quais a do mezanino, que concentra grande parte da obra. O espaço de 4 mil metros quadrados terá lojas, praça de alimentação e setores administrativos, interligando a área norte e sul do Terminal Intermodal, transpondo, com 7,5 metros de altura, as avenidas Tamandaré e Horácio Raccanello. A Sial prossegue com a construção de um dos acessos do mezanino, e após a conclusão estrutural do mezanino pela Salver, ficará responsável pela instalação elétrica, hidráulica e de outras obras civis.

Atualmente, a Sial intensifica as ações na estação ferroviária norte, projetada para receber futuramente o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT). A estação contará com escada rolante, elevadores e saguão de embarque e desembarque. Na estação, onde foram escavados aproximadamente 8 metros e executadas contenções e fundações, é preparada a lage para em seguida ser erguida a estrutura metálica. Já na estação ferroviária sul, o avanço das obras aguarda a realocação da rede de alta-tensão subterrânea da Copel.

Segundo a prefeitura, os serviços prosseguem dentro do cronograma com término previsto para o primeiro semestre de 2019. O novo terminal urbano integra as obras do Programa de Mobilidade Urbana, que prevê também a implantação do corredor de ônibus para ligar as zonas norte e sul do município. Compõem também o novo sistema a implantação de corredores nas avenidas Kakogawa e Morangueira (com oito pontos de embarque e desembarque) e dos terminais de integração construídos na Praça Ouro Preto (Avenida Morangueira) e nas praças Emílio Farjado Espejo e Megumu Tanaka (Avenida Kakogawa).


INTEGRAÇÃO. Vista aérea do canteiro: projeto faz parte do programa de mobilidade urbana —MARCIO NAKA


Participe e comente