Rebecca Marchi Ally completou dois anos de idade em cinco de setembro de 2017 e no mesmo mês, que era para ser de alegria, a família teve a notícia de que a menina estava doente. Rebecca foi diagnosticada com Leucemia Mielóide Aguda (LMA), cinco dias depois do aniversário. Familiares contam que a criança tinha muito mal estar e febre, começou a ter manchinhas na pele, foi levada ao médico muitas vezes, mas nada se resolvia. A doença só foi descoberta quando um exame de sangue. Rebecca foi internada e no dia seguinte transferida para Cascavel onde iniciou seu tratamento no Hospital Uopeccan.

Rebecca reagiu muito bem às quimioterapias, em pouco tempo apresentou resultados excelentes. Um exame de medula óssea apontou que Rebecca precisaria da doação.

A leucemia não voltou agressiva, mas os médicos afirmam que para não se agravar a menina precisa de um doador de medula óssea 100% compatível. "Nós sabemos que o transplante de medula não é fácil, é um doador em cem mil", diz uma familiar.

A família começou uma campanha falando sobre a história da menina nas redes sociais e explicando como funciona o processo de cadastro e doação.

Uma prima da menina, Karoline Millani, que reside em Maringá, conta que viveu uma situação semelhante com a filha que, aos dois anos de idade, foi diagnosticada com leucemia em estágio avançado, em um exame de rotina. A criança se livrou da leucemia, mas ficou a lição. Hoje, Karoline é a porta-voz da prima de Umuarama aqui em Maringá.

Ela fala da urgência em conseguir um doador para Rebecca e da campanha que a família lança nas redes sociais. "É uma corrida contra o tempo. Mas eu acredito que a campanha está dando certo. É uma questão mundial, porque o doador da Rebecca pode estar lá nos Estados Unidos. Queremos atingir o máximo de pessoas para salvar a vida da Rebecca, não só a dela como de outras pessoas também. A cura do outro está em nós", diz Karoline.

Foto: Arquivo pessoal da família



Neste sábado (17), familiares e amigos de Rebecca em Maringá farão um mutirão para atrair doadores, às 9 horas, na frente no Hemocentro Regional de Maringá. Interessados em doar medula, devem procurar o Hemocentro Regional de Maringá, na Av. Mandacaru, 1600 - Parque das Laranjeiras

Podem se cadastrar e se tornarem doadoras todas as pessoas de 18 a 55 anos.


Participe e comente