Artistas de circo do Brasil e da Argentina vão poder participar de um projeto de intercâmbio para troca de experiências. É o que prevê convênio firmado dia 9, entre os ministros da Cultura do Brasil, Sérgio Sá leitão e da Argentina, Pablo Avelluto, e o presidente da Fundação Nacional de Artes (Funarte), Stepan Nercessian, na Escola Nacional de Circo, na Praça da Bandeira, zona norte do Rio de Janeiro.

O intercâmbio começará pelo circo, mas incluirá também a dança, as artes visuais, a música, o teatro e a literatura. "São diversas áreas, e vamos combinar para definir de acordo com o orçamento que eles têm disponível e nós temos disponível, o número de artistas, e vamos lançar a chamada pública, aqui e lá, para a seleção. Aí, o convênio começa. Minha expectativa é que a gente possa ter os artistas [selecionados] até o final do ano, os brasileiros lá e os argentinos aqui", disse, o ministro Sá Leitão.

Para o presidente da Funarte, Stepan Nercessian, que vai coordenar a aplicação do convênio pelo lado brasileiro, o acordo é um "belo caminho a seguir", que vai ser favorável aos artistas dos dois países. "É muito bom ver que estamos juntando quem nunca deveria andar separado. Nós temos muitas afinidades", afirmou Nercessian.

O ministro Pablo Avelluto agradeceu por estar pela primeira vez em um palco de circo, porque, até agora, tinha ficado apenas na plateia. Avelluto disse que, para ele e para o ministério, esta é uma oportunidade de estreitar os vínculos na relação com o povo brasileiro, fazendo o que deve ser o trabalho de ministros, que é dar ferramenta para os jovens se desenvolverem na cultura e em atividades artísticas.

Este é apenas o início da integração da cultura dos dois países, ressaltou Avelluto. Ele disse que, o objetivo é que as políticas culturais dos dois países sigam em paralelo e se integrando cada vez mais. "Temos uma dívida com a integração dos nossos projetos culturais. Uma parte pode ser por questão de idioma, mas pode ter sido por falta de entendimentos entre governos." Estão sendo dados os primeiros passos: depois virá o cinema, virá o teatro, virá a musica, a literatura. "Temos muito caminho para percorrer juntos."

Bolsistas

Antes mesmo de o convênio ser assinado, a integração de artistas dos dois países já ocorre na área circense, pois, entre os bolsistas, há três argentinas – Camila Basterra, Agostina Roggero e Florencia Sosa – que começaram o curso em setembro. Os bolsistas da Escola Nacional de Circo recebem R$ 2,5 mil por mês, para se manter em tempo integral nas atividades dos cursos.


SHOW. Alunos e ex-alunos da Escola Nacional de Circo fazem apresentação após assinatura de acordo de intercâmbio de artistas entre Brasil e Argentina. — TOMAZ SILVA/AGÊNCIA BRASIL


Participe e comente