Embora o número de acidentes na rodovia federal da região de Maringá tenha caído 5,7%, de 333 casos no primeiro semestre do ano passado para 314 nos primeiros seis meses deste ano, o número de ocorrências com mortes teve um pequeno aumento, saltando de 10 para 13 mortes neste ano.

Os dados foram divulgados pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) e revelam as estatísticas entre o km 150 da BR-376, de Presidente Camilo Castelo Branco até o km 215, no trevo de Jandaia do Sul, que cruza Maringá, incluindo a Avenida Colombo.

Entre janeiro e junho deste ano, também caíram de 77 para 63 o número de vítimas graves com relação ao mesmo período do ano passado; assim como as vítimas leves, de 288 para 264. Já o registro de pessoas ilesas teve pequena queda, de 340 no primeiro semestre de 2017 para 339 neste ano.

De acordo com Pedro Faria, inspetor responsável pela supervisão operacional de todos os postos da PRF na região, os dados de mortes ainda eram pequenos até o quinto mês deste ano, mas teve aumento em virtude das ocorrências de junho, quando tiveram mais registros com mortes. "Estas são mortes registradas no local dos acidentes. Infelizmente, algumas pessoas em situações graves acabam falecendo depois que dão entrada nos hospitais. Estes casos não contabilizamos, porque já fogem do nosso controle", explica.

A maioria das ocorrências são no trecho da Avenida Colombo, que compreende os km 170 a 182 da BR-376. "Entre os motivos para o aumento de mortes e redução de acidentes, detectamos muitas imprudências por parte dos condutores, pedestres, despreparo e desrespeito as leis de trânsito, No caso dos atropelamentos, ainda há situações onde a pessoa deixa de fazer a travessia pela passarela para cruza a rodovia com fluxo de veículos", comenta o inspetor.

Velocidade excedida em local não permitido, falta de atenção com a sinalização, falta do uso do cinto de segurança são outros fatores que colaboram com os dados. "A PRF tem procurado, de todas as formas, intensificar as fiscalizações, focadas, exatamente naquilo que tem culminado com os acidentes de grau de letalidade para reduzirmos as estatísticas", conclui.


Participe e comente