A Polícia Rodoviária Federal (PRF) registrou 228 mortes em acidentes de trânsito durante o primeiro semestre deste ano nas rodovias federais do Paraná. O número é 31,9% menor que o registrado durante o mesmo período de 2017, quando 335 pessoas morreram. O total de feridos passou de 4.767 para 4.037 – uma queda de 15,3%. E o número de acidentes atendidos caiu 24,4%, de 5.415 para 4.092.

Os dados foram divulgados pela PRF na manhã de ontem (10). De acordo com a Agência PRF, a maioria das pessoas perdeu a vida em ocorrências com pista seca e em trechos de reta. Homens correspondem a 82,6% dos óbitos. Trechos de pista simples responderam por 54,8% das mortes. Somados, o período noturno, o amanhecer e o anoitecer concentraram 64,5% dos óbitos. Os demais 35,5% ocorreram em situação de pleno dia.

Segundo as estatísticas, cerca de 42% das vítimas mortas tinham entre 21 e 40 anos de idade. Crianças menores de 11 anos representaram 1,8% dos falecimentos. Do total de pessoas mortas, 14,5% estavam em motocicletas e 8,3%, em bicicletas. Outros 25% eram pedestres. Somados, pedestres, motociclistas e ciclistas foram 47,8% dos mortos.

Entre janeiro e junho deste ano, as equipes da PRF flagraram 1.820 motoristas dirigindo sob efeito de bebidas alcoólicas; 11.211 manobras irregulares de ultrapassagem; e 115.648 veículos acima da velocidade máxima permitida. Para a PRF, as cinco principais causas presumíveis dos acidentes que resultaram em mortes foram, falta de atenção do condutor (25% das mortes); falta de atenção do pedestre (20,2%); velocidade incompatível (16,7%); desobediência às normas de trânsito (14%); e ingestão de bebidas alcoólicas (4,8%). Mais da metade das mortes ocorreram em colisões frontais (26,8%) ou em atropelamentos (25,4%).


IMPRUDÊNCIA. Falta de atenção e velocidade incompatível são os maiores motivos. — ANDRÉ ALMENARA


Participe e comente