Uma professora de 23 anos fraturou a coluna ao tentar fugir de um estuprador na Tailândia e cair de um penhasco de mais de 45 metros de altura. Hannah Gavios, que é de Nova York, se perdeu na Praia Railay, em um refúgio de Krabi, e entrou em uma loja local de turistas pedindo ajuda para voltar ao hotel em que estava hospedada na última quinta-feira (1º). Um trabalhador local se ofereceu para lhe mostrar o caminho, mas acabou levando-a para a selva, onde começaram a escalar uma montanha e ocorreu o abuso.

Hannah, que ainda estava cansada depois de chegar à Tailândia no dia anterior, inocentemente o seguiu antes de perceber que estava em perigo. "Eu realmente pensei que ia morrer", disse a mochileira. "Estava escuro, era por volta de 23h e a única maneira de voltar para o meu alojamento era cruzando as falésias. Entrei na loja e pedi ajuda para voltar ao meu hotel. Eles disseram que era perigoso fazer a travessia à noite, então me disseram para ir um dos funcionários", conta.

"Eu não tive a melhor sensação sobre ele, mas eu estava cansada e queria ir para casa. Eu tinha viajado por 16 horas, então acho que eu não estava me sentindo ", disse a Sra Gavios. A professora lembrou como o seguiu até uma trilha e ficava perguntando 'este é o caminho certo?'.

"Enquanto estávamos andando, ele me agarrou e tentava tirar minha roupa. Comecei a socá-lo no rosto, bater nele e morder-lhe a orelha. Eu mordia-lhe a orelha com tanta força que quase rasgou, ficou meio rasgada ", relata.

"Com dor, me pediu para parar. Então nós apertamos as mãos e ele parou, mas eu ainda estava nervosa e ele ainda estava tentando me perseguir. Por isso, não tive escolha a não ser correr. Eu comecei a voltar de onde vim. Uma vez que havia certa distância entre nós, comecei a correr. "

A jovem fugiu, mas não viu que havia um penhasco. "Estava escuro como breu e, antes que eu me desse conta, estava no meio do ar caindo de um penhasco. Sinceramente pensando que eu não iria sobreviver ", comenta. "Eu bati minha cabeça algumas vezes e cheguei ao chão com um grande 'galo'. Eu gritava de dor. Foi a coisa mais dolorosa que senti na vida".

"Eu me senti totalmente como um vegetal. Completamente vulnerável. Eu não podia mover qualquer parte do corpo".

A jovem, que renunciou ao anonimato, fraturou a espinha e bateu a cabeça no meio do caminho antes de atingir o fundo do penhasco.

Para o terror dela, o agressor - um tailandês local identificado como Apai Ruengvorn, de 28 anos, foi atrás dela e a estuprou estava impotente.

"Ele me ouviu gritando e gemendo, então desceu a montanha e começou a chorar e rezar. Ele estava se sentindo muito culpado. Eu lhe implorava para pedir ajuda. Ele pegou o telefone e começou a ligar, então pensei que alguém estava vindo, mas ninguém veio.

"Eu estava presa com este louco. Na floresta, em meio a arbustos com cobras selvagens rastejando em mim enquanto ele ainda continuava a me perseguir", informa a vítima. "Ele ficou em cima de mim, tirou as calças e se masturbou em mim. Ele não me estuprou, mas fez tudo o mais. Realmente pensei que ia morrer.

"Honestamente não sabia o que fazer. Eu só tinha que manter a calma. Sempre eu gritava que ele estava me sufocando, então tinha que tentar manter a calma e ficar amigável. Assim que ficou mais leve, comecei a pedir ajuda. Ele continuou dizendo 'sem polícia, sem polícia'", conta a jovem.

Depois de algumas horas, Ruengvorn foi embora, mas voltou mais tarde com outras pessoas que acionaram o alarme e a garota foi resgatada e levada para um hospital.

A jovem está sendo tratada no Hospital Bangkok em Phuket e os pais dela saíram de Nova York para para ficar com a filha.

Ruengvorn admitiu o ataque repugnante e agora vai enfrentar vários anos atrás das grades.

A vítima diz que "está vivendo um dia de cada vez. Mas eu estou realmente contente que minhas pernas não estão quebradas. Eu quero ficar na Ásia e voltar para lecionar no Vietnã". "A polícia me disse que o acusado vai ficar na prisão entre cinco e dez anos".

Hannah estudou design gráfico no Fashion Institute of Technology, em Nova York. Durante as viagens dela no Sudeste Asiático, a professora iria ensinar inglês em Chiang Mai, Tailândia, assim como na província Lao Cai no Vietnã.

De acordo com a página dela no Facebook, começou a trabalhar na Globe Education Link como professora de Inglês no dia 7 de agosto, mas esteve na região por alguns meses antes de visitar países populares entre os mochileiros como o Laos.

Fotos de mídias locais mostram Ruengvorn na reconstituição do crime, apontando para o local onde a jovem caiu. Foi acusado de cometer ato obsceno contra outra pessoa e causar ferimentos graves.


As informações são do Daily Mail.


Participe e comente