O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, escreveu carta para o presidente da Câmara dos Representantes, Paul Ryan, para justificar o ataque militar contra a Síria, realizado na noite da última sexta-feira. Além disso, ele aponta que os EUA tomarão "medidas adicionais, necessárias e apropriadas para promover os interesses nacionais", sem especificar quais ações podem ser tomadas.

No documento, o republicano afirma que o objetivo da ação militar "era degradar a capacidade dos militares sírios de realizar mais ataques com armas químicas e dissuadir o governo sírio de usar ou proliferar armas químicas". Ele aponta, ainda, que o ato militar foi realizado em conjunto com Forças Amadas da França e do Reino Unido e que os alvos foram "uma instalação de centro de pesquisa científica, uma instalação de armazenamento e um bunker". De acordo com Trump, "a ação veio em resposta ao uso contínuo e ilegal de armas químicas pelo governo sírio, inclusivo no terrível ataque em Douma em 7 de abril".

Trump alega que agiu de acordo com sua autoridade constitucional para conduzir as relações exteriores e pensando "nos interesses vitais de segurança nacional e política externa dos EUA para promover a estabilidade da região, para o uso e proliferação de armas químicas, e evitar um agravamento da atual catástrofe humanitária da região".


Participe e comente