Um cão da raça pitbull atacou o próprio dono na noite de domingo (22), e precisou ser abatido com cinco tiros, efetuados pela Guarda Municipal. O ataque ocorreu em uma residência na avenida Wenceslau Braz, Vila Guaíra, bairro próximo ao centro de Curitiba.
:NoticiasRelacionadas:

O supervisor da Guarda Municipal de Curitiba, Laurindo Corte Filho, informou que os guardas que atenderam a ocorrência ainda tentaram apartar o cão disparando spray de pimenta para que o pitbull soltasse um dos braços do aposentado Dejail Cézar Gonçalves, 54 anos, mas a tática não funcionou.

"Ao perceber que o cachorro iria atacar também a região da cabeça e do pescoço do senhor, efetuamos dois disparos, o que ainda assim não impediu o ataque. Finalmente mais três disparos foram dados para que o pitbull soltasse de vez o braço do dono", relata Corte Filho.

Após perder muito sangue, Gonçalves foi encaminhado em estado grave e com os dois braços feridos ao Hospital do Trabalhador de Curitiba. Havia a suspeita de que ele poderia ter o braço amputado, mas o hospital informou que o paciente passa bem na enfermaria e realizará uma cirurgia de enxerto na pele nesta sexta-feira (27).

Chacal era dócil
O cão foi encaminhado ao Centro de Zoonoses de Curitiba ainda com vida, mas não resistiu aos ferimentos e morreu. Segundo Ester Lopes, mulher de Gonçalves, o pitbull, que se chamava Chacal e tinha 4 anos, era dócil e até lambia os pés do seu marido.

"Tratávamos aquele cachorro como um bebê, a gente dava até banho. Adoramos animais. Já perdemos dois vira-latas, que morreram por velhice. Agora perdemos o Chacal. Meu marido nunca maltratou nenhum bicho. O ataque é inexplicável", lamenta Ester.

Histórico de ataques
Mesmo sendo dócil, ela confessa que o cão já havia atacado, há alguns meses, um irmão de Gonçalves, causando ferimentos. A chefe de cozinha Poliana Fernanda Souza, vizinha do casal e que no vídeo aparece pedindo socorro à população que só assistia e filmava o ataque, também se recorda do primeiro ataque de Chacal. Segundo ela, o cachorro avançou no rosto do irmão de Gonçalves e dilacerou o nariz do rapaz.

Cachorro era bem tratado
A vizinha nega veementemente que Gonçalves era violento com o pitbull. "Nunca vi ninguém maltratando o Chacal, pelo contrário. Era um cão muito bem cuidado, gordo, vacinado, alimentado com ração de qualidade e que adorava os donos. Era só carinho. Aliás eu nem sabia que ele se chamava Chacal, pois o sr. Cézar só o chamava por 'bebê'".

Os guardas municipais que atenderam a ocorrência relataram que sentiram cheiro de álcool na vítima, outra suspeita negada por Poliana. "Aquilo tudo cheirava somente a sangue. Parecia cheiro de frigorífico. Minha irmã ajudou a lavar o quintal depois e disse que ainda estava com cheiro de sangue".

Veja o vídeo abaixo:

Participe e comente