Uma advogada de 46 anos, que tem escritório em Campo Mourão (a 92 quilômetros de Maringá), foi presa temporariamente nesta segunda-feira (15) acusada de apropriação indébita previdenciária e extorsão. Até o momento, 16 pessoas, a maioria idosas, foram prejudicadas, mas o delegado  da 16ª Subdivisão Policial (SDP), Nagib Nassif Palma, acredita que mais vítimas devem registrar queixa.

A advogada, que não teve o nome divulgado, trabalhava na cidade há 20 anos. Conforme a PC, ela recebia o dinheiro da previdência dos clientes, ação trabalhista ou acidente de trabalho, por exemplo, e não repassava para os mesmos. A investigação aponta que ela enrolava as vítimas, afirmando que a ação não saía.

O valor que ela extorquiu dos clientes ainda não foi apurado, mas estimativas apontam que a quantia é alta, já que tem casos que ela chegou a arrebatar R$ 30 mil. Hoje pela manhã a Polícia Civil a prendeu e também cumpriu mandados de busca e apreensão em quatro locais, no escritório da advogada e em casas, tendo recolhido documentos. Um representante da Ordem dos Advogados (OAB) está acompanhando as ações.

"Já nos procuraram 16 pessoas, mas acreditamos que o número de lesados seja ainda maior. A orientação é que as vítimas procurem a delegacia e denunciem", alertou o delegado Nagib Nassif Palma.

Foto: Divulgação PC


Participe e comente