Segundo a equipe de Maringá da Polícia Ambiental, cerca de 215 árvores nativas foram arrancadas de uma área de preservação ambiental em Itambé. A suspeita é de que um agricultor, detentor da área, tenha feito isso para aumentar ilegalmente a área para plantio agrícola. A Polícia já solicitou ao Ministério Público a abertura de um inquérito.

A confirmação da destruição dentro da área protegida foi constatada na tarde de sexta-feira (8). A equipe havia recebido uma denúncia anônima de destruição de vegetação nativa em área de preservação permanente, na margem esquerda do ribeirão Marialva. Ao chegar no local, a Polícia Ambiental disse ter encontrado as árvores arrancadas ou cortadas e empurradas para o interior da área de proteção.

Ao todo, foram destruídas 215 árvores nativas, como cedro, angico, canafístula, falsa-aroeira e arranha-gato – algumas delas em fase de sementeira, o que poderia auxiliar na regeneração natural das florestas à margem do rio.

Além da abertura do inquérito, a Polícia Ambiental solicitou ao Instituto Ambiental do Paraná (IAP) a aplicação de multa no valor de R$ 5 mil por hectare danificado, além do embargo da área destruída e termo de compromisso para recuperação do local. Um termo de paralisação de dano ambiental também foi lavrado.

Divulgação

Participe e comente