• Empresário que matou porteiro na zona 07 deve se apresentar na delegacia de Maringá

  • Roberto Silva

O advogado Alcenir Antonio Baretta, de Maringá, compareceu na tarde de ontem à 9ª Subdivisão Policial (9ª SDP) para negociar a apresentação do empresário Marcelo Cruz Maiolino, 47 anos, suspeito de matar, no sábado passado, o porteiro do Condomínio Cristóvão Colombo, Lionil Gabriel Gomes, 48 anos.

A visita do advogado à delegacia ocorreu horas depois de o empresário ter a prisão temporária decretada pela Justiça. Barreta não quis adiantar horário ou data para apresentação do cliente, mas confirmou que ele tem o interesse em esclarecer o ocorrido. "Foi uma execução sumária, sem chance de defesa à vítima", afirmou ontem o superintendente da Polícia Civil, investigador Aécio Silveira.

Segundo a Polícia Civil, o crime ocorreu por volta das 16 horas de sábado, cerca de 1 hora depois de o empresário Marcelo Maiolino render o taxista Valdenir Soncin Júnior, 20 anos, na Zona 7, para tentar descobrir o paradeiro de outro taxista, Anderson da Silva Gomes, com o qual teria uma desavença.

Aparentemente transtornado, Maiolino arrancou Júnior de dentro do táxi e exigiu que ele revelasse o paradeiro de Gomes. "Avisa pra ele (Gomes) que eu estou cansado e ele é um covarde. Eu vou dar um tiro no olho dele para não estragar o couro", teria dito o empresário, segundo relatos feitos à polícia.

Alertado do ocorrido, Gomes comentou o fato com o pai, o porteiro Lionil Gabriel Gomes, funcionário do condomínio onde Maiolino reside com a família.

AGRESSÕES


6
É o total de homicídios
registrados neste ano
em Maringá; apenas um
aguarda elucidação

Depois de registrar queixa na 9ª SDP, Lionil decidiu retornar ao condomínio para conversar com Maiolino. No entanto, o empresário desceu do apartamento empunhando uma pistola calibre 7.65 e executou o porteiro com vários tiros. Maiolino foi visto fugindo a pé e desapareceu sem deixar pistas.

Testemunha do crime, o porteiro Luis Carlos Tenerick, 54 anos, contou à polícia que não chegou a ocorrer discussão e que após Lionil cair, atingido pelo primeiro tiro, Maiolino teria se aproximado e efetuado outros três disparos contra a vítima. Ainda de acordo com o porteiro, o pai do empresário, Ítalo Maiolino, tentou impedir o crime, mas o suspeito ignorou os apelos e acionou o gatilho.

Moradores do condomínio, que não quiseram se identificar, contaram à Polícia Civil que Maiolino reclamava que a vítima o perseguia, mas observaram que o empresário era problemático e tinha mania de perseguição. Sobre a vítima, os moradores a definiram como uma pessoa muito tranquila e trabalhadora.

Veja também

O portal odiario.com reserva-se o direito de não publicar comentários de conteúdo difamatório, calunioso e ofensivo. Os comentários não autorizados ficarão visíveis somente para os contatos/amigos da rede social do autor.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Shopping

Anuncie nos classificados de O Diário

Pague com:

Loterias

  • Números sorteados
  • 5
  • 8
  • 17
  • 42
  • 46
  • 47

Publicidade

Aviso importante: A reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo (textos, imagens, infográficos, arquivos em flash, etc) do portal odiario.com não é permitida e, caso se configure, poderá ser objeto de denúncia tanto nos mecanismos de busca quanto na esfera judicial. Se você possui um blog ou site e deseja estabelecer uma parceria com odiario.com para reproduzir nosso conteúdo, entre em contato pelo e-mail parceria@odiario.com.

odiario.com 2010 © Todos os direitos reservados à Editora Central Ltda - O Diário do Norte do Paraná. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuido sem prévia autorização.