Em sua primeira reunião relativa à edição de 2018, que foca a saúde, a Comissão Técnica e Científica (CTC) do Prêmio Péter Murányi constatou que a maioria dos trabalhos inscritos aborda doenças comuns no Brasil, como Febre do Zika Vírus, leishmaniose, hipertensão, câncer e microcefalia, além de problemas como a obesidade. Quatro especialistas avaliaram os trabalhos recebidos e selecionaram os classificados para a segunda fase.

Dentre os 225 projetos recebidos, 19 foram pré-selecionados para concorrer à segunda etapa da premiação, na qual serão submetidos a uma nova avaliação de especialistas na área específica de cada projeto. Com base nesses pareceres, a CTC definirá, em janeiro, quais serão os três finalistas. O vencedor será escolhido por júri, assim como o segundo e o terceiro colocados.

“É interessante perceber como, ao longo dos últimos 16 anos, tem sido possível constatar a qualidade da nossa comunidade científica brasileira. E é fantástico ter uma instituição como a Fundação Péter Murányi que reconhece e valoriza esse acervo, na forma de um prêmio anual que celebra a conquista daqueles que dedicaram parte de sua vida à geração de conhecimento voltado ao bem-estar da população”, destaca Roger Chammas, membro da CTC e coordenador do Centro de Investigação Translacional de Oncologia do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo.

A qualidade e o objetivo dos trabalhos indicados ao Prêmio Péter Murányi 2018 são ressaltados por Jair Mari, também membro da CTC e professor titular do departamento de psiquiatria da Unifesp. “É muito interessante observar que os nossos pesquisadores estão preocupados com os problemas de saúde que vivemos no Brasil. Percebemos que, felizmente, temos um conjunto de pesquisadores que estão traduzindo conhecimento para mudar a vida da nossa população”.

A CTC, desta edição, é formada por quatro avaliadores: Roger Chammas (coordenador do Centro de Investigação Translacional em Oncologia, do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo), Licio Augusto Velloso (professor no Departamento de Clínica Médica da UNICAMP), Jair de Jesus Mari (presidente da comissão de livre docência da Unifesp) e Luiz Fernando Lima Reis (diretor de Pesquisa do Hospital Sírio-Libanês e coordenador do Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde do Hospital Sírio-Libanês).

SERVIÇO
Prêmio Péter Murányi 2018 – Edição Saúde
Janeiro: segunda etapa, na qual serão definidos os três finalistas
Fevereiro: Júri, na qual escolhem o vencedor e as colocações (2º e 3º lugar)
Abril: Cerimônia de entrega das premiações
Informações: www.fundacaopetermuranyi.org.br

PARA A IMPRENSA:
Fundação Péter Murányi; [email protected]
Jornalista responsável: Jéssica Almassi; [email protected]
Assistente de jornalismo: Rosangela Sousa; [email protected]
11 3675-5444



Website: http://www.viveiros.com.br

Participe e comente