Estudos realizados por pesquisadores nacionais e estrangeiros comprovam que os tutores de cães e gatos, membros da terceira idade, sofrem menos de depressão, problemas relacionados à pressão sanguínea, frequência cardíaca e capacidade motora. As atividades físicas realizadas ao passear ou brincar com o animal de estimação e os cuidados exigidos para mantê-los saudáveis refletem de maneira positiva neste período da vida.

Ao adotar um animal de estimação, o idoso deve estar ciente de que ele exige dedicação diária, além de alterar a rotina de uma casa e jamais poderão ser abandonados. Ao optar por adotar um cão ou gato, poderá procurar prote que desenvolvam um trabalho sério com os animais. Deverá conversar, buscar informações e escolher o animal que mais combine com o seu estilo de vida. A casa deve ser adequada para a chegada do animal.
Deverá ser definido com antecedência o local aonde ele irá se alimentar, fizer as necessidades e dormir, enfatiza Vininha F. Carvalho, editora da Revista Ecotour News (www.revistaecotour.tur.br).

Dados do Radar Pet, pesquisa inédita idealizada pela Comac, com representantes das classes econômicas A, B e C em oito municípios brasileiros, identificaram que apenas 30% dos lares formados por pessoas na terceira idade possuem animais de estimação.

A presença desses animais está muito relacionada aos lares com adolescentes e jovens, onde a presença supera os 50%. Lares de terceira idade possuem menor presença ao redor de 30%. Portanto muitos idosos acabam não se beneficiando das vantagens de ter um animal de estimação.

A inversão deste índice, além de promover maior qualidade de vida para este segmento da população, poderia ainda minimizar os impactos de saúde pública que envolve o problema do abandono de animais.

Um cão e um gato adulto, geralmente os tipos de animais encontrados em anúncios para adoção, se adequam melhor ao perfil dos idosos. Eles se adaptam melhor ao novo lar e não tem os mesmos hábitos que os filhotes, sendo mais disciplinados nas brincadeiras, nos comportamentos e não tem a necessidade de estimular a dentição roendo objetos e móveis da casa, orienta Vininha F. Carvalho.

Pela internet podem ser encontrados vários sites, onde se permite procurar um animal com o uso de filtros, como tamanho, sexo, idade, região, cidade, e até algumas das suas principais características.

O importante é a pessoa idosa estar disposta a oferecer muito carinho e chance de uma nova vida, em família ao animal e, receber em troca uma recepção calorosa, repleta de muito amor. A felicidade é a chave para uma vida mais longa.


Lembre-se: 4 de outubro é o Dia Nacional de Adotar um Animal

Website: http://www.revistaecotour.tur.br


Participe e comente