Pessoas com peso considerado ideal podem colocar a saúde em risco ao descartar a necessidade de exames médicos periódicos. Elas podem nem sempre saber que possuem gordura corporal em maior quantidade do que os músculos e, com isso, desenvolver doenças encontradas em pessoas obesas. São os chamados "falsos magros".

Segundo o nutricionista de Maringá, Bruno Staut, a taxa de gordura corporal de um indivíduo é medida por meio de aparelhos específicos. "Geralmente isso ocorre entre homens e mulheres entre 20 e 45 anos que estão com o peso normal, mas apresentam uma quantidade muscular abaixo do normal e de gordura relativamente alta para a idade, podendo assim, serem classificados como falsos magros", explica.

Apesar de não haver estudos científicos claros sobre quem tem peso normal e metabolismo obeso, os falsos magros correm risco de desenvolverem doenças como diabetes tipo 2, aumento de colesterol e artrose.

O médico de Maringá, Marco Paulo Di Benedetto, explica que fatores genéticos somados a uma má alimentação e a uma vida sedentária podem ser responsáveis pelo acúmulo de gordura em excesso, no corpo de pessoas magras. "Definitivamente, hoje o fator ambiental, dentre eles, alimentação e sedentarismo, é o que mais contribui para a pandemia de sobrepeso e obesidade", explica.

A localização do acúmulo de gordura no corpo é influenciada por diversos fatores como genética, sexo, idade, sedentarismo, tabagismo e consumo de bebida alcoólica.

Se esse acúmulo se dá na barriga, os riscos de complicações da saúde aumentam quando os valores da circunferência abdominal são maiores que 80 cm, no caso das mulheres, e maiores que 90 cm, em homens.

Em homens, a maior proporção de gordura é no abdômen (barriga) e nas mulheres, na região glútea (nádegas). Embora as mulheres também passem a acumular gordura na região abdominal depois da menopausa.

O médico diz que para viverem melhor e com saúde, as pessoas que são consideradas falsas magras precisam mudar o estilo de vida praticando uma atividade física e ter uma alimentação rica em proteínas.

"Para o indivíduo sair do estado de 'falso magro' é preciso fazer atividade física regularmente e ter uma alimentação equilibrada consistindo em frutas, verduras, carnes e alimentos com baixo teor de gordura, reduzindo então o consumo de alimentos ultraprocessados", ressalta.


GENÉTICA. O médico Marco Paulo Di Benedetto explica que fatores genéticos, má alimentação e sedentarismo podem ser responsáveis pelo acúmulo de gordura em excesso, no corpo de pessoas magras.


Participe e comente