Prove de tudo um pouco, com moderação, nas festas de final de ano. O nutricionista clínico e esportivo Gustavo Sicri demonstra como enfrentar o calor com alimentos saudáveis. Ele ressalta que não devemos nos privar daquilo que é gostoso. Afinal, a alimentação também deve ser encarada como fonte de prazer.

O nutricionista adverte: “Prove de tudo um pouco, com moderação. Não faça privações a ponto de abster-se de provar determinado alimento. Por exemplo, ao invés de comer 1 fatia grande de torta de chocolate, prove 1 ou 2 colheres de sopa. Concentre-se unicamente no sabor, deixando de lado a saciedade e a gula.”

Gustavo Sicri, que foi dirigente técnico da Seleção Brasileira de Fisiculturismo e Fitness, dá dicas de como se alimentar nas festas de final de ano nas altas temperaturas do verão. O profissional atende em consultório particular, mas também no Ambulatório de Nutrição e Endocrinologia da Santa Casa de Misericórdia. Ele ensina que alimentos alternativos em receitas devem ter grau de pureza e qualidade, como os da Copra, a primeira indústria brasileira a produzir o óleo de coco extra virgem, por exemplo.
Como manter uma alimentação adequada às altas temperaturas do verão e festas de final de ano?

Gustavo Sicri - Equilíbrio e informação! Organize-se e tenha mais resultados! Uma estratégia para fugir das tentações é aumentar a saciedade com alimentos tais como aveia, brócolis, óleo de coco extra virgem, grão de bico, feijão fradinho e lentilha. Outro grande aliado é a água, que além de contribuir para a saciedade, atua para uma melhor hidratação. Recomenda-se o consumo de 2 a 3 litros fracionados ao longo do dia, sobretudo se fizer uso de bebida alcoólica.
O que é mais adequado ao nosso clima?

Gustavo Sicri - Evitar alimentos com elevado teor de gordura e sódio. Peru e bacalhau são carnes menos gordurosas e recomendadas para as ceias de final de ano. Ao invés de frituras, empanados, gratinados e preparações com manteiga ou dorê; Melhor optar por alimentos cozidos no vapor, assados, grelhados e sauté. Priorize o consumo de alimentos frescos ou minimamente processados, como arroz integral, carnes magras, peixes, legumes, verduras, grãos, frutas, sucos naturais, cogumelos, leite fresco ou pasteurizado, iogurte sem adição de açúcares e ovos. Para melhores resultados, recomenda-se a prática de substituições, tais como farinha integral no lugar de farinha branca; açúcar refinado por açúcar de coco; farinha de rosca por aveia, quinoa ou amaranto; e, finalmente, sempre que possível, a preferência por queijos menos gordurosos, tais como cottage, ricota, creme de ricota e minas frescal.

Sobre a Copra produtora do óleo de coco

A Copra, Indústria de Alimentos, sediada em Maceió há 18 anos, tem à frente dos empreendimentos e do seu crescimento exponencial, o CEO Hélcio Oliveira, que em 2007 decidiu investir na produção nacional do óleo de coco extra virgem e acertou.

O lançamento do óleo de coco extra virgem no mercado nacional foi respaldado pela pesquisa do seu uso em outros países, e, sobretudo, nos países asiáticos. A busca por parcerias com médicos e estudiosos do assunto, como também junto às pesquisadoras da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Diuli Alves Cardoso, Anne Bello, Glaucia Maria Moraes de Oliveira, Glorimar Rosa - que publicaram o primeiro artigo científico sobre os efeitos benéficos do uso do óleo de coco extra virgem -, conferiram ao óleo de coco extra virgem a credibilidade necessária para a sua permanência no mercado consumidor.

Os estudos que evidenciaram que os pacientes obtiveram diminuição do IMC, melhora no índice de adiposidade visceral, da pressão arterial diastólica, e dos triglicerídeos, como também VLDL, não impediram que o uso do óleo de coco se alastrasse para outros fins, tais como para a tendência cosmética na pele e nos cabelos, esse último, já uma ‘febre’ nas redes sociais, pelo resultado positivo da hidratação dos fios.

Apesar da crise econômica pela qual atravessa o Brasil, o segmento de produtos naturais no mercado voltado para a saúde do consumidor, no qual o óleo de coco extra virgem está inserido, continua em franca expansão.

 

Autor: Monica Coronel

Participe e comente