A central multimídia é o item mais desejado pelos brasileiros que compram carros novos, mesmo nos segmentos de entrada. Dados de uma pesquisa encomendada recentemente por uma montadora instalada no Brasil à qual a reportagem teve acesso apontam que esse tipo de dispositivo está à frente até do ar-condicionado e da direção hidráulica na preferência do consumidor. Na segunda posição entre os equipamentos mais valorizados por clientes desses modelos está o computador de bordo, seguido dos vidros elétricos.

De acordo com informações da Chevrolet, uma das primeiras marcas a adotar a central multimídia em um compacto - o Onix -, isso se deve à popularização dos smartphones, fenômeno que mudou a maneira de o consumidor se relacionar com o veículo - e até mesmo de dirigir. Gerente de produto da Citroën do Brasil, Bianca Lepique diz que esses dispositivos não precisam necessariamente vir com navegador GPS integrado. "Provavelmente porque muitos motoristas já estão acostumados a usar esse recurso no telefone celular."

Nos segmentos mais caros as prioridades mudam, mas a central multimídia se mantém em primeiro lugar na lista de itens mais desejados. Segundo a Chevrolet, o consumidor de utilitários-esportivos, por exemplo, também faz questão de equipamentos que ressaltem a estética do carro, como faróis de LEDs.

Os clientes de sedãs médios também valorizam as novas tecnologias. Os compradores do Cruze, por exemplo, desejam sistemas de auxílio à direção e carregador da bateria do celular por indução.

De acordo com as montadoras, os itens de segurança mais sofisticados não estão entre as prioridades do consumidor de compactos.

Muitos sabem o que é o ESP, ou sistema eletrônico de estabilidade, que será obrigatório no Brasil a partir do ano que vem. Mas apenas 10% desses clientes têm o recurso no carro.

Os equipamentos de segurança mais valorizados por esses compradores são os vidros elétricos e o travamento remoto das portas. A trava de segurança para crianças, nas portas traseiras, é mais desejada que os air bags, obrigatórios nos carros vendidos no País.

Participe e comente