Nas ruas de Seul, a limpeza e a organização chamam a atenção, assim como a arquitetura moderna. No contexto desse ambiente, o Hyundai Ioniq, modelo "verde" da marca sul-coreana, passa praticamente sem ser notado.

O modelo, cheio de tecnologia, esteve no Salão do Automóvel de São Paulo, no ano passado, e passa por estudos de viabilidade para vir ao Brasil e disputar mercado com o Toyota Prius.

A montadora não descarta oferecer as versões elétrica e híbrida. A Hyundai espera as definições sobre o regime automotivo Rota 2030, que deve substituir o programa Inovar-Auto no ano que vem, para bater o martelo.

Avaliamos a versão elétrica. Além dela e da híbrida (que traz motor a combustão associado a outro a eletricidade), há ainda a híbrida plug-in, cuja bateria pode ser recarregada tanto em tomadas convencionais quanto nas de recarga rápida.

Com um único motor elétrico, que rende o equivalente a 120 cv e 30 mkgf, o Ioniq chega a 165 km/h de máxima.

A bateria de íons de lítio pode ser recarregada em quatro horas e 25 minutos por meio de uma tomada padrão ou em 25 minutos com a utilização de um conjunto de recarga rápida. A autonomia é de cerca de 280 km.

Há controles de tração e estabilidade, controlador de velocidade de cruzeiro adaptativo, freio automático de emergência, alerta de ponto cego, sete air bags, três modos de condução (econômico, normal e esportivo), alerta de mudança involuntária de faixa e até um botão que permite manter o ar-condicionado apenas para o motorista - o que reduz o consumo de energia elétrica.

Há ainda uma função que permite escolher entre três níveis de recuperação de energia, por meio de alertas no volante, quando se tira o pé do acelerador. Isso possibilita reduzir ou aumentar o efeito de freio-motor em subida, descida ou reta.

Parece convencional

Com exceção do silêncio a bordo e do torque instantâneo ao se pisar no acelerador, o Ioniq se comporta como um carro convencional. A direção elétrica tem o peso ideal e, como o pacote de baterias fica sob o banco traseiro, ele rebaixa o centro de gravidade do carro, reduzindo o balanço da carroceria em curvas.

O espaço é bom para quatro adultos, e o nível de acabamento agrada. No visual, o modelo destoa dos demais Hyundai por ser o primeiro de uma nova família de produtos e se distanciar do atual conceito de design da marca. As linhas são agradáveis e têm uma leve pitada de esportividade, sem deixar de lado a eficiência aerodinâmica.


NA TOMADA. Hyundai Ioniq: bateria pode ser recarregada tanto em tomadas convencionais quanto nas de recarga rápida, com autonomia de até 280 quilômetros de rodagem. — DIVULGAÇÃO

Participe e comente