A Ducati está ampliando sua gama de produtos no Brasil com a chegada de dois novos modelos: a sport touring Supersport e a Monster 797. A primeira vem com motor bicilíndrico de 937 cm3, que gera 113 cv e 9,8 mkgf, e transmissão de seis marchas. De série, há três modos de condução. No Sport e no Turismo, a potência total é liberada. No Urbano, a entrega é limitada a 75 cv. Há ainda controle de tração com oito níveis, quickshift (sistema que permite trocar as marchas sem acionar o manete de embreagem) e bolha ajustável.

A versão S, mais completa, adiciona opção de pintura branca com rodas vermelhas e suspensão dianteira e traseira ajustáveis da marca Öhlins. A Supersport chega às lojas em maio.

A Monster 797 vem em janeiro (R$ 39.990) para ser a opção de entrada da Ducati, com o fim das vendas da 821. Ela marca o retorno do motor a ar. O dois-cilindros de 803 cm3 gera 75 cv e 7 mkgf. O câmbio é de seis marchas.

A nova moto conta com ajuste de pré-carga da suspensão traseira. A dianteira é simples, da marca Kayaba, e tem 43 mm. Entre as particularidades, não é possível desligar os freios ABS.

KTM

Já a austríaca KTM aposta a maior parte de suas fichas em modelos com motor bicilíndrico. A principal novidade da marca é a 1290 Super Duke GT (R$ 97.500), versão sport touring da Super Duke (R$ 91 mil).

O modelo combina o conforto típico das big trails com a esportividade das nakeds (sem carenagem) para encarar longos trajetos - a moto pode receber malas laterais. Seu propulsor é um dois- cilindros de 1 301 cm3, 177 cv e 14,6 mkgf. O câmbio tem seis velocidades.


Participe e comente