O número de recalls de carros e motos em 2017 diminuiu, na comparação com o ano anterior. Em 2017, foram anunciadas pelas fabricantes 94 convocações, ante as 122 registradas em 2016.

Em 2017, esses chamados envolveram cerca de 240 veículos. Uma das causas mais recorrentes dos recalls realizados no Brasil foi a substituição de air bags defeituosos produzidos pela sistemista japonesa Takata - acionadas, essas peças podem expelir fragmentos metálicos.

As principais afetadas foram Honda e Toyota, que, para substituir os air bags, convocaram modelos como Fit, Civic, CR-V, Corolla, Etios e Hilux. Ao todo, são cerca de 2,2 milhões de unidades equipadas com os air bags defeituosos no Brasil. Até agora, apenas 16% dos envolvidos foram reparados, segundo o Departamento Nacional de Trânsito, o Denatran.

Outro chamado importante de 2017 ocorreu em novembro, quando todas as unidades do Renault Kwid foram afetadas por problemas nos freios e no sistema de alimentação de combustível. Quase 22 mil exemplares do modelo produzidos até então foram envolvidos - até os ainda não vendidos. Em dezembro, a Fiat promoveu recall de mais de 150 mil Argo, Uno e Mobi fabricados entre 2014 e 2017, para corrigir falha na unidade de comando do motor.

Nem mesmo marcas de luxo passaram incólumes aos recalls. A BMW chamou 2.406 unidades de Série 3, Série 5 e X5 também por causa dos air bags da Takata.

O Denatran tem o registro de todos os recalls abertos no Brasil, bem como de todas as unidades envolvidas. Para saber se um veículo foi convocado e se o reparo já foi realizado, basta acessar a base de dados disponível no site de departamento (www denatran.gov.br).

As fabricantes também possuem todos os dados de chamadas para reparos de seus veículos. Na dúvida, procurar uma concessionária poderá ajudar.


Participe e comente