Quando chega o momento de revender o carro usado, muita gente fica em dúvida. Vale a pena investir dinheiro para reparar eventuais problemas (mecânicos ou estéticos), ou é melhor não mexer em nada e tentar negociar algum desconto para fechar negócio?

De acordo com o proprietário da empresa Washing Ecolavagem, Renato Morato, uma preparação para venda, que envolva higienização interna e polimento externo, custa cerca de R$ 600. Ele alerta que o serviço só compensa se a intenção for vender o carro para um particular. "Se a ideia for oferecê-lo a lojista, não vale a pena fazer nada, porque o trabalho não será valorizado."

A informação é confirmada pelo gerente de vendas da concessionária Volkswagen Amazon, na zona leste, Marcos Leite. "Preferimos fazer a preparação por nossa conta", diz. E justifica: "Veículo com muito polimento pode ser disfarce para algo mais grave (uma colisão, por exemplo)."

Se a intenção for vender o carro a particulares, a limpeza profissional é indicada especialmente se o atual dono fuma no veículo ou leva animais (que soltam muito pelo). Segundo Morato, o trabalho consiste na limpeza de bancos, laterais, carpete e teto. Além disso, o serviço inclui higienização do ar-condicionado e troca do filtro de cabine. Bancos de couro recebem hidratação.

Marcas da idade

Ao longo do tempo, é normal o automóvel acumular pequenas marcas nas laterais (por causa de batidas de portas em estacionamentos, por exemplo) ou mesmo alguns riscos na pintura. Esse é o tipo de defeito que deve ser mantido, garante Marcos Leite.

"Uma repintura malfeita apenas para encobrir um risco pode passar a impressão de que o carro foi batido."

O consultor da ADK Automotive, Paulo Garbossa, tem raciocínio semelhante, e reforça que o importante é manter a originalidade do veículo.

Mesmo no que diz respeito a pneus, Garbossa avalia que é melhor negociar um desconto, em vez de trocar para tentar obter valorização. De acordo com ele, desde que o desgaste dos pneus seja condizente com a quilometragem do veículo, "não há nenhum problema". O mesmo vale para bancos com tecido esgarçado, por exemplo. Dependendo do tempo de uso, é normal que o veículo apresente sinais de desgaste.

Segundo Marcos Leite, caso o veículo tenha rodas esportivas que não sejam originais, é recomendável a substituição pelo conjunto de fábrica. A razão é que carros com visual esportivo tendem a afastar boa parcela dos compradores, pelo temor de que o veículo tenha sido utilizado de modo mais agressivo. Leite também aconselha a verificação e o eventual conserto de sistemas que não estejam funcionando, como o ar-condicionado, por exemplo. "Às vezes o ar não está esfriando por falta de carga de gás, que é um serviço barato, e a falta dele pode depreciar o veículo."

Na Authentic SP Center Car, localizada na zona oeste, retocar a pintura do para-choque para remoção de riscos custa a partir de R$ 280.

MAQUIAGEM. Compradores fazem leituras diferentes de providência tomadas em reparos para melhorar a aparência de veículos que são colados à venda. — DIVULGAÇÃO



Participe e comente