A semana tem um ritmo próprio: as pessoas entram afobadas, servem-se rapidamente de carne, arroz, feijão, saladas, e correm para a mesa mais próxima, mastigando tudo ligeiramente. Tão rápido quanto entraram, deixam o Rekanto do Sabor e seguem para a caos do cotidiano. "O povo almoça e sai correndo: por isso, a gente nem trabalha com cervejas de 600 ml", justifica o proprietário Mario André Gheti.

Localizado na região central da cidade, o restaurante ganha um outro ritmo aos sábados, quando a feijoada assume o cardápio da casa, servida a R$ 16,90 (bufê livre) ou R$ 36,80 (kg).

Preparada com paio, bacon, calabresa, pé, rabo, orelha e costelinha de fumada, a feijoada pode ser acompanhada por torresmo, couve e arroz.

Aos sábados, único dia da semana em que os clientes se entregam ao prazer de uma gastronomia mais contemplativa, dialogando com calma e sorrisos, sem ter de correr para um compromisso urgente, é comum flagrar gente brindando vinho nacional em taça (R$ 5) e latinhas de Skol (R$ 4). Porque é sábado, as pessoas não comem afobadamente nem deixam o restaurante correndo: há um desejo silencioso, em cada mesa do Rekanto do Sabor, de que todos os dias da semana, para o resto da vida, sejam de sábados de feijoada.

PARA COMER
REKANTO DO SABOR
Onde: Av. Brasil, 4476.
Quando: segunda a sábado: 10h45 às 14h30.
Telefone: 3025-4709


CARRO-CHEFE. Feijoada, no Rekanto do Saber: servida com torresmo e couve. —FOTO: O DIÁRIO

Participe e comente