O calçadão do Mercadão vai se transformar numa grande feira de arte e gastronomia neste final de semana. Quarenta e dois artesãos, decoradores, costureiros, pintores, fotógrafos e outros artistas locais vão expor suas obras e seus produtos entre hoje e domingo, em barracas que serão erguidas na travessa Jorge Amado. Na primeira edição do Mercadão na Praça, resultado da parceria com a Feira Almacén - projeto que reúne os artistas maringaenses -, alguns bares e restaurantes vão oferecer porções reduzidas a preço único (R$ 13), no esquema "finger food" (comida de dedo), para degustar em pé mesmo, durante a apreciação dos trabalhos dos artistas .

Até o fechamento desta edição, cinco bares e restaurantes haviam confirmado a presença. O Daásu Sushi Bar, dedicado à gastronomia oriental, servirá uma versão minimalista de seu prato mais consagrado, o salmão ao molho de ostras, e uma opção de ceviche, ambos de 70 gramas. "Pensamos em algo para ser provado no conceito de feira, para que o visitante possa provar um pouco de tudo", explica Thiago Abrão, do Daásu.

A Casa da Mãe Joana preparou uma opção de hambúrguer mais concisa, batizada de Netinho e montada em pão de leite com hambúrguer Black Angus de 120 gramas, mais queijo cheddar, cebola e maionese da casa.

O clima mexicano fica por conta do Gallo Loco, que servirá taco de frango. Clássico da gastronomia brasileira, a feijoada surge numa versão de bolinhos recheados com bacon, direto das panelas do Boteco do Neco. Italianíssima, a unidade da bruschetta do Oca Restô Bar será preparada com tomate e mussarela de búfala.

"Queremos fomentar a gastronomia e consolidar o nome do Mercadão. Esse evento vai trazer cultura e entretenimento para a cidade. Com valor acessível, teremos pratos diferenciados para todos", comenta Maria Lígia Morroni, diretora do Mercadão.

À moda antiga

Premiada no ano passado em um concurso virtual austríaco, a fotógrafa Carolina Steinke, 22, vai expor uma série de nove fotos feitas com a marca de filme Revolog, de uma empresa vienense, que é manipulado através de um processo artesanal. "Quando você tira uma foto, ela sai com alguns efeitos: nunca dá para saber como ela realmente sairá", explica a fotógrafa, que integra o projeto Museu de Arte Visual de Maringá, reunindo num mesmo site o trabalho de alguns artistas daqui.

As imagens, que oscilam de R$ 55 a R$ 70 (20 x 30 cm), foram registradas durante uma viagem a Piracicaba (SP), no ano passado. A reportagem teve acesso a três das fotografias que serão expostas. São imagens que remetem à solidão e à angústia existencial. Com sutileza e voz própria, Carolina transformou em arte o cotidiano seu e o de desconhecidos, como um Munch (1863-1944) que vestisse saias, um Iberê Camargo (1914-1994) que empunhasse uma Leica. "A importância desse evento é estimular o consumo de arte regional e descobrir novos artistas. Aqui em Maringá não existe uma cultura de consumo de artes visuais", lamenta.


Ver e ser visto
Segundo Andressa Ferrari,da Feira Almacén, será possível encontrar um pouco de tudo nas barracas, de laços para sapatinhos de bebês a brincos e colares. "É a nossa segunda reunião. A proposta é ser uma feira nos moldes das de negócio, mas com o pessoal de indústrias criativas", comenta. Os expositores escolheram entre dois tipos de barracas, de R$ 80 e R$ 350, dependendo do tamanho. "Acho que vamos ser vistos por mais de 1.200 pessoas", prevê.

PASSE BEM
MERCADÃO NA PRAÇA
Onde: Av. Prudente de Morais, 601 - Zona 7.
Quando: hoje: 19h às 21h. Sábado: 13h às 21h.
Domingo: 10h às 18h.



Participe e comente