Joana é professora. Segue a carreira dos pais. Dá aulas para jovens adolescentes. Aos 27 anos, se sente realizada na profissão. Gosta do que faz mas tem outra paixão: a cozinha. Herdou da avó o gosto por fogão e panelas. Dona Lourdes era doceira requisitada e, como lembra Joana, 'fazia uma torta de sardinha inimitável'.

Quando não está na sala de aula ou corrigindo provas e preparando atividades para seus alunos, a professora de ocupa do poodle de estimação e do fogão, onde se aventura na reprodução de receitas e em alquimias próprias, como o sorbet de abacate e o 'nhoque' de batata doce.

Não pretende deixar o magistério, mas a cozinha exerce sobre ela tal fascínio que, no futuro, considera transformar a paixão em fonte de renda. Por enquanto, cozinha e por prazer e, vez ou outra, atende pedido dos familiares e amigas. 'Dia desses vou começou a cobrar pelo meu talento", afirma em tom de brincadeira, mas traindo uma pretensão.

A professora é representativa de uma tendência notada há pouco tempo, mas que ganhou força nos últimos anos. Pessoas que se dedicam a gastronomia como hobby para, em seguida, transformá-lo em negócio. A pretensão inicial não é empreender uma atividade milionária, mas se aproveitar de uma vocação (ou paixão) para ganhar dinheiro.

A popularização dos programas culinários e a imensidão de novos títulos sobre gastronomia que chegam ao mercado a cada semana reforça a tendência e indica que está em curso uma silenciosa revolução. Cresce o número de pessoas buscam que assimilar a cultura gastronômica e para elas já não soam estranhas expressões como corte a julienne (em tirinhas) ou bronoise (em cubinhos).

A paixão se aperfeiçoa apropriando-se dos requintes da cozinha moderna, mas sem perder a originalidade e as raízes da simplicidade. Nesse cenário, a comfort food se expressa em sua forma mais absoluta.

O mais interessante nessa tendência é que, por mais que se tente definir o tipo de cozinha que se pratica no suposto amadorismo do lar, o máximo que se consegue é descobrir que as pessoas se dedicam a reproduzir ou criar receitas sem a preocupação do requinte. Não há compromisso com a sofisticação e sim com a qualidade e a fartura.

São rigorosas na escolha dos ingredientes e não economizam na quantidade, oferecendo aos seus convidados sabor em volume. A tendência faz crescer o consumo ingredientes mais sofisticados, como tinta de lula, por exemplo, e as vendas de equipamentos para cozinha.

Até mesmo o insuspeito maçarico gourmet, usado para dourar e gratinar pratos (na elaboração do creme brûléé o utensílio é indispensável) se tornou item recorrente até mesmo nas cozinhas menos pretensiosas, servindo como indicativo de quanto as pessoas investem na paixão culinária.

As alquimias culinárias caseiras também mostram preocupação com receitas menos calóricas. O uso de mais vegetais e menos carne vermelha, substituída por peixe e frango, se impõe como tendência, assim como uso de temperos menos comuns na cozinha brasileira, como o curry.

Grãos como chia e linhaça, óleo de coco e até a biomassa elaborada com banana verde também surgem como coadjuvantes de receitas mais saudáveis. Enfim, sair para jantar ou almoçar permanece como um programa muito requisitado – e cozinhar em casa uma opção adotada como expressão de vocação ou vaidade. Não há como negar que, quem se dedica à culinária de forma amadora, adora os elogios e retrucar com 'fui que fiz'.

COMFORT FOOD: DESCOMPROMISSADA E GENEROSA
Comfort food (comida confortável numa tradução descompromissada) se impõe à mesa com um apelo nostálgico que remete à infância, à mãe, vó... Na verdade, é a comida simples, sem frescuras, feita para encher a barriga e farta num ingrediente indispensável na cozinha: amor! O purê de batata, a maionese, o frango com polenta, a mandioca frita, o sagu, o doce de leite, o arroz doce, a canjica... O repertório de receitas é longo e cada um é capaz de acrescentar um novo prato à lista – e todos com um aspecto convergente: lembram família. Seria uma reação à culinária industrializada, mais apegada a conceitos e técnicas, com pouca relação com a essência da cozinha tradicional, inspirada em ingredientes mais saudáveis e compromissada com a celebração da convivência. Na prática, não é só aquilo que se come que interessa, mas também a forma como se come. A frase pode ser interpretada de várias formas (comer rápido, por exemplo, pode gerar desconforto), mas principalmente deve ser lida com a convicção de que comer também deve ser um gesto sociável, com alguma relevância familiar.

O QUE É?
Curry típica especiaria indiana, o curry é uma mistura de diversos ingredientes, basicamente gengibre, pimenta dedo-de-moça, pimenta vermelha, canela em rama, cominho, pimenta-do-reino, cardamomo, cravo, erva-doce, cúrcuma e coentro em grãos. O equilíbrio do tempero depende da exata moagem e dosagem de cada ingrediente. Exatamente pela enorme quantidade de diferentes especiarias, cada uma delas com qualidades específicas, o curry é considerado não apenas um ingrediente culinário, mas também terapêutico.

SOPA DE COCO
COM CURRY
Ingredientes
, 150g (1 pote) de cream cheese Philadelphia
, 1 lata de leite de coco
, 3 xícaras (chá) de caldo de galinha
, 1 colher (chá) de curry
, 1 colher (sopa) de manteiga
, Sal e pimenta a gosto
, Croûtons (como acompanhamento)
Preparo
w Coloque todos os ingredientes e bata no liquidificador. w Esquente uma panela com manteiga derretida, coloque a sopa e esquente até ferver. w Sirva acompanhado de croûtons.

ARROZ DE PATO
Ingredientes
, 1 pato inteiro
, 2 cebolas médias
, 3 folhas de louro
, 4 cravos da Índia
, 3 dentes de alho picados
, 1 xícara (chá) de vinho branco
, 1 xícara (chá) de bacon picado em cubos pequenos

, 1 linguiça portuguesa fatiada
, 1 tomate sem pele e sem sementes picado
, 3 colheres (sopa) de cheiro verde picado
, 2 xícaras (chá) de arroz
, 2 colheres (sopa) de azeite
, Sal a gosto
Preparo
w Numa panela grande coloque o pato, 1 cebola cortada na metade, os cravos, as folhas de louro e sal. Cubra com água e leve ao fogo. Deixe ferver até que o pato esteja cozido (aproximadamente 30 minutos). w Retire o pato da panela para que esfrie. Coe e reserve o caldo que se formou. Assim que conseguir manipular o pato, desfie-o grosseiramente, descartando pele e ossos. Reserve. w Numa panela aqueça o azeite. Refogue o alho, a cebola e o tomate. Junte o bacon e a linguiça e mexa até que comecem a ficar dourados. Acrescente o pato desfiado. w Coloque o arroz, o vinho branco e o caldo do pato reservado (junte água para completar 6 xícaras de líquido, caso tenha sobrado pouco caldo). w Abaixe o fogo, mantenha a panela semitampada e deixe cozinhar até que arroz fique cozido (aproximadamente 15 minutos). Junte o cheiro verde e misture. Retire do fogo e sirva imediatamente.

Dica O arroz de pato não deve ficar seco e soltinho. Ele é uma preparação mais caldosa, o que os portugueses chamam de arroz malandrinho.

NHOCÃO DA DONA VALDÍRIA
Ingredientes
Massa
, 2 kg de mandioca cozida
, 3 gemas
, 1 colher (café) de sal
, 4 colheres (sopa) de queijo ralado
, 2 xícaras (chá) de farinha de trigo
Recheio
, 500gr de mussarela ralada
, 500gr de presunto ralado
Molho
, 800gr de frango cozido e desfiado
, 1 cebola grande ralada
, 2 dentes de alho amassados
, 6 tomates picados sem casca e sem sementes
, 2 sachês de molho de  tomate
, 2 colheres de amido de milho
, 1 cx de creme de leite
½ litro de água
Preparo
Massa w Esprema a mandioca e junte os outros ingredientes.  Amasse bem até ficar homogêneo. w Faça pequenas bolas e recheie com porções de mussarela e presunto ralados. w Acomode as bolas recheadas num refratário alto.

Molho w Numa panela grande, refogue o alho e a cebola. Junte o tomate picado e cozinhe bem até quase desmanchar. w Acrescente o frango desfiado, sal, pimenta e o molho de tomate. w Quando estiver bem refogado, adicione o amido de milho dissolvido na água e cozinhe mais um pouco. w Por último, misture o creme de leite e despeje no refratário até cobrir as bolas. w Leve ao forno médio para assar por uns 30 minutos.

CREME BRULÉE DE DOCE DE LEITE
Ingredientes
, 300ml de leite
, 2 sementes de umburana quebradas
, 600g de doce de leite
, 500g de creme de leite
, 10 gemas
, 100g de açúcar
Preparo
w Ferva o leite e junte as sementes de umburana. w Tampe a panela e cozinhe por 10 minutos. w Em seguida, acrescente o doce de leite, misturando até dissolver completamente. w Adicione o creme de leite e as gemas, mexendo com cuidado. w Coe e coloque em formas para creme brulée. w Asse no forno preaquecido, a 110C, por 25 minutos, ou até que comece a ficar firme. w Deixe esfriar e deixe na geladeira por pelo menos 3 horas antes de servir. w Polvilhe com o açúcar restante e queime com um maçarico de cozinha. w Deixe repousar por 30 segundos e sirva em seguida.


Participe e comente