Abolir a gordura do cardápio nunca foi uma atitude muito interessante, afinal ela é responsável pela proteção térmica do corpo, absorção de alguns nutrientes e até na síntese de hormônios, células de defesa e formação da membrana celular.

Mas nunca se falou tanto das gorduras como agora. E será que elas realmente são tão vilãs quanto às pessoas imaginam?

Não é o que demonstrou um novo estudo publicado pelo renomado periódico The Lancet, o qual avaliou 135 mil pessoas em cinco continentes. Em média, a dieta dos participantes era composta por 61% de carboidratos, 23% de gordura e 15% de proteína.

O resultado mostrou que as altas quantidades de carboidratos aumentou em 30% o risco de morte comparado a quem estava com uma dieta "low carb" (baixa em carboidrato). Por outro lado, quem consumia por volta de 35% de gorduras, incluindo as saturadas, reduziu em até 23% o risco de morte cardiovascular.

Os pesquisadores acreditam que esse efeito prejudicial do excesso de carboidrato esteja associado ao fato de que ele é facilmente armazenado como glicose no corpo, aumentando rapidamente seu nível no sangue, o que contribui para o desenvolvimento de doenças crônicas como diabetes e obesidade.

Os estudos ainda estão desvendando o mistério por trás das gorduras, mas sabe-se que o equilíbrio é o segredo para uma vida melhor. Por isso, a manteiga não está proibida e muito menos o óleo de coco, porém, o azeite, o óleo de linhaça e o óleo de abacate são excelentes opções para preparações culinárias. Procure variar os tipos de óleo na alimentação e traga mais saúde para a sua vida.

Flávia Dário
Nutricionista
CRN8 7554

Participe e comente