1,3 milhão de toneladas foi o total da produção brasileira de açaí, em 2017, segundo dados que acabam de ser divulgados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento (Mapa). O valor é de R$ 5,5 bilhões. O Pará é o principal Estado produtor.

AÇÚCAR A maior oferta da commodity no mercado internacional, nos últimos anos, já fez com que a cotação despencasse de 40 centavos de libra-peso, para apenas 11.

SUPERÁVIT Países da União Europeia, tradicionais importadores, investiram em indústrias para a fabricação de açúcar de beterraba e se tornaram superavitários.

SOCIAL Ao mesmo tempo, a produção de cana-de-açúcar em países que concorrem diretamente com o Brasil, como é o caso da Índia, dispensam a esse setor um tratamento social, uma vez que a grande maioria dos agricultores que se dedicam à atividade, é de pequeno porte.

BOLSA CANA Segundo o presidente da Associação de Produtores de Bioenergia do Estado do Paraná (Alcopar), Miguel Rubens Tranin, os 500 milhões de produtores de cana indianos recebem, como apoio governamental, uma espécie de bolsa-família para se manterem na atividade.

NA FRENTE Em relação ao etanol de cana-de-açúcar, a opinião de Tranin é que se trata de um combustível sustentável, que oferece à indústria automotiva nacional uma grande vantagem competitiva. De acordo com ele, o etanol é 80% menos poluente em comparação à gasolina e apresenta vantagem competitiva, inclusive, em relação ao carro elétrico.

RENOVÁVEL O carro elétrico pode ser sustentável, claro, mas a forma como a energia elétrica é gerada em muitos países, nem sempre está adequada ou apresenta vantagens em relação ao etanol de cana, produzido a partir de biomassa, uma fonte renovável.

QUANTIDADE De acordo com o 2º Levantamento da Safra de cana-de-açúcar 2018/2019, divulgado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a produção total de cana está atualmente estimada em 635,51 milhões de toneladas, o que representa um aumento de 0,4% em relação à safra 2017/18, que fechou em 633,26 milhões de toneladas.
MAIS ETANOL Motivada pelo melhor fluxo de comercialização frente ao açúcar nesta safra, a produção total de etanol deverá alcançar 30,41 bilhões de litros, ou seja, um aumento de 11,6%.

ANIDRO Desse total, a produção de etanol anidro terá aumento de 2,2%, devendo chegar a 11,24 bilhões de litros, motivado pelo maior consumo de gasolina que vem se mantendo nos últimos anos. Com relação ao etanol hidratado, que é o próprio álcool combustível, a produção também deverá ter um aumento de aproximadamente 18% (2,9 milhões de l), chegando 19,17 bilhões de litros.

QUEDA Os números do açúcar seguem o movimento de retração. Segundo o levantamento, a produção deve chegar
a 34,25 milhões de toneladas, ou seja, uma queda de 9,6% se comparada com a safra de 2017/18, que foi de 37,87 milhões de toneladas.

RETRAÇÃO A área colhida também sofreu diminuição de 0,8%, que agora está estimada em 8,66 milhões de hectares. Esta queda foi influenciada pela devolução de terras arrendadas e pela rescisão de contratos com fornecedores.

QUALIDADE DA MERCADORIA O ministro Blairo Maggi, da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, chama a atenção para a responsabilidade de cada produtor brasileiro com a qualidade da mercadoria que coloca no mercado.

COMPETITIVOS "Integrar e entender o mercado é fundamental para permanecer nele. Nós temos que abrir novos mercados, mas uma vez aberto, precisamos ser competitivos. Começar vencendo uma partida é importante, mas manter até o final se torna mais importante, cumprindo as exigências com responsabilidade", diz
o ministro.

LARANJA PODRE Segundo ele, "não é possível achar que o governo é responsável pela fiscalização, e pronto. Não funciona assim. A responsabilidade não é somente do ministério.
Um fazendo uma coisa errada significa contaminar todo o cesto, como aquela história da laranja podre. O efeito é o mesmo no mercado".

GRANDEZA O ministro lembra dimensão do agro brasileiro. "O Brasil é um produtor de alimentos e com os seus mais de 200 milhões de habitantes, atende perfeitamente a essa necessidade e ainda é um grande exportador. Exportamos para 150, 180 países, dependendo do ano e da pauta variada entre grãos e carnes, processados".

FAZ A SUA PARTE Maggi acrescenta que "o país cumpre regras, trabalha com abertura de mercado e tem legislação para isso".

Participe e comente