O ano é 1982, e "Seo" Rui da Costa Silva ingressava no Grupo O Diário para trabalhar no departamento pessoal e almoxarifado. Leitor assíduo do jornal antes mesmo de ser funcionário, ele recorda muito bem como tudo começou. "O Diário publicou no jornal que precisava de alguém para o departamento pessoal, e eu tinha um certo conhecimento. Na época, a empresa era menor do que é hoje. O serviço não era tão complicado, e eu fui contratado", conta.

Entre 1985 e 1995, Seo Rui morou nas dependências de O Diário, onde hoje está o galpão do Parque Gráfico. "O local era meio deserto na época e eu morei aqui com a minha família para tomar conta da propriedade. Não era serviço, era 'de confiança'. Foi um pedido do dr. Frank e Dona Rosey", explica ele, que conhece o presidente do jornal desde 1957, quando estudaram na mesma escola.

No total, são 36 anos de casa. Atualmente, aos 75 anos, "Seo" Rui trabalha na portaria de O Diário - há cerca de seis anos. Três vezes na semana, os funcionários do jornal são recebidos pelo carisma e simpatia dele. Com um aceno e um "boa tarde amigo (a)", ele cumprimenta cada um que passa pela guarita.

"Eu sempre tive bom relacionamento com todo mundo aqui no jornal. Nunca tive problema com funcionários. Sempre resolvemos as diferenças com facilidade, sem maiores consequências", declara.

"Entrei no Diário no momento em que mais precisava de um emprego. Estávamos passando por dificuldades financeiras na época. Além disso, o trabalho sempre foi uma experiência de vida enriquecedora para mim, um modo de convivência, de entender e conhecer as pessoas melhor", conta "Seo" Rui, que é pai de três e avô e de três.

Ele é parte importante dessa história, que completa hoje 44 anos. "A empresa dá liberdade para trabalharmos e sempre cumpriu com suas obrigações pontualmente, em todos esses anos que estou aqui. Então, me sinto muito bem trabalhando aqui", enfatiza.

Ao ser questionada sobre o "Seo" Rui, a analista comercial de O Diário, Janine Garbuggio Armelin, não titubeou: "Um companheiro de trabalho que sempre está de bom humor, muito comprometido e dedicado na realização da sua função, e nunca perdeu a parte humana na relação de trabalho. Com certeza, no dia de aniversário de cada um, ele vai dar um abraço e desejar coisas boas. Para mim, é um exemplo de ser humano", declara.©


"Seo" Rui trabalha no Grupo O Diário desde 1982. — JOÃO PAULO SANTOS

Participe e comente