JOSÉ CARLOS BARBIERI
Presidente do SINEPE/NOPR

Em 1996, durante um movimento com participação de toda sociedade, denominado "Repensando Maringá", lideranças comunitárias dos mais variados setores sonharam e traçaram planos de como queriam que fosse a "Maringá de 2020".

Entre vários sonhos e objetivos, estava a transformação da cidade em um polo educacional. Hoje, 22 anos depois, podemos afirmar com alegria e orgulho, que aquele sonho se transformou em realidade.

Afinal, Maringá possui 12 instituições de ensino superior, sendo uma pública e 11 privadas. São quase 50 mil estudantes. Sem contar nas faculdades da região. A cidade não se cansa de sonhar, de planejar e de realizar ações para melhorar nossos índices de desenvolvimento e qualidade de vida.

O SinepeNORPR sempre fez parte deste movimento por um futuro melhor, seja com ações próprias, seja participando da Câmara Técnica de Educação do Conselho de Desenvolvimento Econômico (Codem). A própria cidade tem consciência da importância da educação, sendo notório o grau de desenvolvimento que Maringá e região alcançaram após a criação da Universidade Estadual (UEM).

Esse crescimento se tornou mais contundente a partir do surgimento das faculdades particulares, criando novas opções para os jovens da cidade e região ingressarem no ensino superior. Além disso, há um grande número de cursos de pós-graduação, mestrado e doutorado.

Como forma de democratizar ainda mais o acesso à educação, nossas instituições aderiram a programas como o Fies, programa do governo federal que oferece financiamento estudantil; o ProUni, que oferece bolsas de estudos em escolas particulares; e o Promube, programa municipal de bolsas de estudos.

Os objetivos das instituições de ensino tem se modificado com a evolução da própria sociedade. Assim, não há apenas a preocupação com a formação técnica. Elas estão atentas às necessidades do profissional do futuro - ou do presente. Investem em habilidades comportamentais que formam profissionais que sabem lidar com imprevistos, desafios, com iniciativa, flexíveis, comunicativos e inovadores, entre outras características

A partir do momento em ingressam no mercado de trabalho, estes novos profissionais oxigenam as empresas com a teoria das escolas, criatividade e vontade de vencer.

É um ciclo virtuoso, já que os estudantes podem se graduar, escolher uma subárea que mais gostam e se especializar nela sem sair da cidade. E as empresas não precisam buscar bons profissionais em outros centros. Nossas instituições formam os jovens e os preparam para o mercado de trabalho que a cada dia se torna mais exigente.

Temos a convicção de que, se somos a melhor cidade do país para se viver, isso se deve muito ao excelente nível da educação local e ao dinamismo dos empresários e executivos. E muitos deles passaram pelas nossas instituições de ensino superior.

Como eu disse no início deste artigo, não nos acomodamos com estes resultados e somos participantes ativos do projeto Masterplan, que planeja a cidade para até 2047.

Nossa visão de futuro é "ser referência de educação transformadora, inclusiva, acessível e inovadora para formação de indivíduos autônomos e críticos, sustentada por educadores valorizados e qualificados".


Participe e comente